Juíza do caso Bruno teria cobrado R$ 1,5 milhão por habeas corpus e é afastada

Juizastarling2

A juíza que cuidava do caso do ex-goleiro Bruno, Maria José Starling, foi afastada nesta quarta-feira da comarca de Esmeraldas. A decisão foi tomada pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), sob suspeita de que ela teria negociado a venda de habeas corpus ao jogador.

Getúlio Barbosa de Queiroz, advogado da juíza, afirma sua inocência.

De acordo com Ingrid Calheiros, noiva de Bruno, Maria José pediu R$ 1,5 milhão em troca da liberdade do ex-goleiro. Em junho, ele foi à comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais e repetiu a história.

Segundo o deputado Durval Ângelo (PT), presidente da comissão, a juíza foi afastada por conta do processo administrativo movido por um desembargador do TJ.

O deputado também representou contra a juíza sobre suposto plano de venda de habeas corpus.

No placar pelo afastamento de Maria José, a decisão foi quase unânime: 23 votos a favor e apenas dois contra.
Fonte:SRZD



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.