Câncer no pâncreas: a doença que matou Steve Jobs

Steve_jobs2_capa

O gênio da tecnologia morreu em decorrência de um câncer no pâncreas. Este órgão fica localizado na parte superior do abdome e atrás do estômago. É responsável pela produção de enzimas (que auxiliam na digestão de alimentos) e insulina (hormônio que controla os níveis de açúcar no sangue).

Jobs, aos 56 anos, já estava dentro da idade de risco para desenvolver a doença, que começa a partir dos 50 e torna-se mais comum a partir dos 60. A taxa de mortalidade por câncer de pâncreas é um tanto elevada, visto que o diagnóstico é difícil e a doença extremamente agressiva.

De acordo com o Ministério da Saúde, no Brasil o câncer de pâncreas é responsável por 4% das mortes por câncer. Nos Estados Unidos, cerca de 26 mil pessoas recebem o diagnóstico da doença a cada ano.

Quem está vulnerável ao câncer de pâncreas?

Existem pessoas que estão mais vulneráveis a ter câncer de pâncreas. Quem sofre com a pancreatite crônica ou diabetes melitus, que foram submetidos a cirurgias de úlcera no estômago ou duodeno ou sofreram retirada da vesícula biliar precisam estar sempre atentos e fazer exames periódicos.
A ingestão excessiva de gordura também é um fator risco, juntamente com carnes e bebidas alcoólicas. Para os fumantes, as chances de desenvolver a doença crescem três vezes em relação aos não fumantes. Portanto, ficar longe de cigarros e manter uma dieta balanceada são fundamentais.

Detecção da doença e tratamento

É difícil detectar o câncer de pâncreas pelo fato de este órgão ficar localizado na cavidade mais profunda do abdome, atrás de outros órgãos. Os sintomas normalmente aparecem quando a doença já está em processo avançado e constituem perda de apetite e de peso, fraqueza, diarréia, tontura e, em alguns casos, icterícia. Quando a doença está muito avançada a pessoa pode sentir dores fortes na região das costas.

A cura deste câncer só é possível quando é feita a detecção precoce. Quando existe a possibilidade de submeter o paciente a uma cirurgia, o mais indicado é fazer ressecção. Quando o estado da pessoa já é muito crítico, normalmente coloca-se uma endoprótese.

Radioterapia e quimioterapia também podem auxiliar o tratamento, mas a prevenção e o cuidado com os hábitos continuam sendo as melhores indicações.
Fonte: SRZD



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.