"Cinegrafista foi mandado para a morte", diz advogado da família da vítima

Images

Ana Cláudia Barros

A notícia de que o colete à prova de balas utilizado pelo cinegrafista da TV Bandeirantes Gelson Domingos, 46 anos, não garantia proteção contra tiros de fuzil deixou os familiares do repórter “atônitos”. A informação é do criminalista Nélio Andrade, que representa os parentes da vítima. Em entrevista a Terra Magazine, o advogado fez duras críticas à TV Bandeirantes, onde o profissional trabalhava há dois meses.

Na visão de Andrade, Gelson, assassinado numa troca de tiros no último dia 6 quando acompanhava ação do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) na favela de Antares, em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro, foi “mandado para a morte”.

- Estar com aquele colete ou de camiseta era a mesma coisa. Só quem tem colete à prova de tiro de fuzil nesta guerra urbana do Rio de Janeiro é a Rede Globo. As outras emissoras não têm. Nem a PM tem. Apenas o Batalhão de Operações Especiais (Bope) é que tem 400 coletes à prova de fuzil. Gelson usava um colete II-A, que só segura tiro de 38, 40, 22. Não segura tiro de fuzil. A placa onde entrou o tiro é um papelão com plástico.

Incisivo, o advogado prosseguiu com as críticas à emissora:

- A Band mentiu claramente. Quando viu que o colete estava comigo e que o sindicato (Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro) teve acesso, publicou uma nota, argumentando que nenhum dos dois coletes tem o nível de proteção necessária para deter um tiro de fuzil. A Band ainda disse, em nota, que tinha coletes II-A e III-A e que instruía todos os repórteres e cinegrafistas a usarem o III-A. Então, por que tem o II-A? A nota diz que nenhum dos dois modelos seria suficiente para evitar que o cinegrafista fosse vitimado. Se a emissora admite que nem II-A nem III-A segura um tiro de fuzil, porque mandou o repórter então? No mínimo é uma grande irresponsabilidade.

Nélio Andrade afirma, com base em informações passadas por familiares de Gelson, que o cinegrafista acreditava estar protegido com o colete que usava.

- O Gelson foi para lá ciente de que aquele colete segurava tiro de fuzil. A família comenta isso… que, para ele, aquele colete era à prova de tiro de fuzil. Se eles (a Band) têm ciência que nenhum dos coletes segura tiro de fuzil, então, mandaram esse rapaz para a morte. Ele foi para a morte. Ele foi fazer o quê? Papel de palhaço com aquele colete? Entendo que o empregador tem responsabilidade sobre isso. Talvez os repórteres que usam os coletes nem saibam que os equipamentos não são apropriados para a proteção contra tiro de fuzil.

Para o advogado, é preciso discutir a segurança de jornalistas durante a cobertura de fatos policiais. Ele defende ainda que a liberdade de imprensa não pode ser inversa à garantia da integridade física dos profissionais.

- Tem que haver urgentemente uma reunião entre o Sindicato dos Jornalistas, as polícias Militar, Civil, Federal e o Ministério da Defesa para definir isso. Estamos vivendo uma guerra urbana. Tem que todo mundo sentar e se conscientizar de que vidas de pessoas honradas estão em jogo. Esse rapaz (Gelson) está morto. E agora? – questionou, adiantando quais serão as medidas que pretende adotar:

- Primeiro, vou requerer o assistente de acusação para acusar os marginais, esses facínoras que tiraram a vida dele. Vou pedir indenização para a família. A Band era a empregadora, ela é responsável.

Os detalhes sobre o colete usado pelo cinegrafista morto vieram a público após nota do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro.

Em sua primeira nota oficial, divulgada no domingo (6), o Grupo Bandeirantes sustentou que o cinegrafista usava um modelo de colete balístico “de maior capacidade de proteção liberado pelas Forças Armadas para utilização por civis”.

Já na nota apresentada nesta terça-feira (8), a Bandeirantes afirmou:

A Band dispõe de coletes das duas categorias II-A e III-A, modelos de maior capacidade de proteção liberados para uso civil.

A Band instrui todos os seus repórteres e cinegrafistas a utilizarem o III-A, colete usado pelo repórter Ernani Alves, durante a operação.

A emissora não teve acesso ainda ao colete que estava sendo usado pelo cinegrafista, mas lamentavelmente nenhum desses dois modelos seria suficiente para impedir que ele fosse vitimado.

O grupo preferiu não se pronunciar a respeito da declaração do advogado dos familiares de Gelson de que o cinegrafista havia sido “mandado para a morte”.

Fonte:Terra Magazine



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.