Lobão diz que aumento na gasolina é possível neste ano

Gazolina alta

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse nesta quarta-feira (8) que há possibilidade de aumento no preço da gasolina neste ano, mas que a decisão ainda não está tomada.
“Existe a possibilidade, não existe a decisão”, disse o ministro a jornalistas, ao acrescentar que há necessidade, por parte de Petrobras, de que haja aumento. O ministro disse que, de um lado, o governo se preocupa com a inflação e, de outro, com os resultados da Petrobras.
As ações da Petrobras subiam na Bovespa nesta quarta-feira, refletindo a expectativa de possível novo aumento de preços de combustíveis ainda neste ano. Às 11h43, o papel preferencial subia 3,4% e o ordinário tinha alta de 4,2%. Enquanto isso, o principal índice de ações da Bovespa subia 1,48%.
O aumento a ser realizado ainda não está definido e está sendo discutido pelo Ministério da Fazenda e pelo Ministério de Minas e Energia, segundo Lobão, para que primeiro se chegue a um número ante de se tomar a decisão.
O ministro admitiu a orientação do governo para esperar um pouco para realização do aumento de forma a não haver impacto na inflação, mas que o governo pode vir a ceder diante da necessidade de um aumento.
Segundo o ministro, o aumento que foi dado no preço da gasolina não chegou ao consumidor em função da redução da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), mas ele não compensa a defasagem que a Petrobras tem em relação aos preços internacionais. Esta diferença foi apontada como um dos motivos, mas não o principal, para o prejuízo registrado pela estatal no último trimestre, o primeiro em mais de 13 anos.
Etanol
Lobão afirmou, ainda, que a elevação dos preços da gasolina ajudaria o etanol. “Precisamos ajudar o etanol porque temos a necessidade de produzir cada vez mais e os produtores se queixam dos preços baixos, exatamente em razão do preço da gasolina, que também é baixo”, disse.
Executivos da Petrobras já afirmaram anteriormente que a meta é buscar paridade internacional para os preços dos combustíveis vendidos no Brasil. Nesta terça-feira (7), a presidente da Petrobras, Graça Foster, voltou a afirmar que a empresa tem o dever de mostrar ao governo, que é o acionista controlador, a importância de uma paridade com os preços praticados nos mercados internacionais, e voltou a defender novos rejustes na gasolina.
“Se você perguntar para quem vende, se há ou não necessidade, eu vou dizer que sim. Quem vende quer volume e preço”, afirmou a executiva. Ela ressalvou, porém, que a política de preços da Petrobras é sempre focada no médio e longo prazo e que o mais importante é ter um volume crescente da demanda doméstica. “Quando temos preço acima, com volume crescente muito maior, recuperamos muito muito mais rapidamente a receita que não geramos em algum combustível que esteja defasado”, destacou.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.