Cooperativa atrai atenção do mercado exterior para o café do ES

Cooperados_da_pronova_-_benjamim_falchetto_e_gilberto_brioschi

O café do Espírito Santo tem ganhado cada vez mais espaço no mercado exterior, principalmente nos Estados Unidos, com o trabalho de uma cooperativa que reúne 200 produtores rurais de café arábica da chamada região das “Montanhas Capixabas”. Segundo a organização, foram enviadas cerca de duas mil sacas do produto apenas neste ano. A cooperativa Pronova abriu as portas para aqueles que nunca tinham imaginado que um dia venderiam café para outros países. Cuba e Itália também estão fazendo contato para comércio.

Em todo o Espírito Santo atualmente existem 149 cooperativas, com cerca de 230 mil cooperados. Juntas geram mais de 20 mil empregos diretos e indiretos, envolvendo aproximadamente 600 mil pessoas, segundo a Organização das Cooperativas Brasileiras no Espírito Santo (OCB-ES). O cooperativismo é um modelo socioeconômico que tem em sua base a participação democrática, a solidariedade, a independência e a autonomia, ou seja, alia o desenvolvimento econômico e o bem estar social.
A cooperativa produz café nas regiões Serrana e Sul do estado. A unidade foi fundada em 2004, mas os produtores se reúnem para propor melhorias para as lavouras desde 1989. O presidente da Pronova explica a importância da cooperativa na vida dos pequenos produtores. “Eles até poderiam conseguir algum destaque, mas não dessa forma como têm agora. É preciso ter um volume de produção, o que não é simples. É preciso essa união, essa organização”, diz.

O produtor rural Benjamim Falchetto, de 86 anos, faz parte do grupo desde o início. Ele lembra que os primeiros anos foram muito difíceis para todos. “Antes da cooperativa, os comerciantes pagavam abaixo do mercado. Agora não, o lucro é maior. Hoje estamos colhendo as vitórias de estarmos juntos”, comemora.
O produtor Gilberto Brioschi, de 47 anos, é dono de uma propriedade na localidade de Providência, em Venda Nova do Imigrante, região Serrana do estado, e é um dos cooperados. Possui 80 mil pés de cafés e chega a colher 700 sacas por safra. Desse total, 400 são de cafés com qualidade para ser exportado para os Estados Unidos. “Se não fosse a cooperativa seria mais difícil. O mercado está oferecendo novas oportunidades para todos nós”, diz Gilberto.
A conquista de Brioschi só foi possível graças ao selo Fair Trade, conquistado pela cooperativa em 2005. Este selo permite a identificação do café e garante que o produto passou por rigorosos critérios ambientais, sociais e econômicos dos pequenos produtores.

Exportações
O presidente do Sistema da OCB-ES, Estherio Colnago, afirma que essa novidade traz um novo ânimo para as cooperativas do estado. “Para exportar é preciso preço e volume. A entrada no mercado externo consolida o trabalho dos cooperados e mostra que o sistema está sempre a procura de novidades. As vendas dos nossos produtos para fora do Brasil ajudam muito o trabalho das cooperativas”, afirma.
Outros países também já demonstraram interesse pelo café produzido no Espírito Santo. “Cuba e Itália já estão fazendo contato com nossas cooperativas para levar nossos produtos pra lá”, diz o presidente do Sistema OCB-ES.

A Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi) fechou acordo com a Itália para exportar 200 toneladas do grão, que beneficiará cerca de 130 famílias do Espírito Santo. Desta vez, a variedade será o conilon. “Cem toneladas foram embarcadas na segunda quinzena de julho e o restante será entregue agora em agosto”, diz o presidente da cooperativa Argeu Uliana.

As 334 sacas foram estufadas e lacradas no armazém da cooperativa, em Afonso Cláudio, na região Serrana, reduzindo assim os valores gastos com logística. Além do montante vendido aos italianos, a cooperativa embarcou mais de 14 mil sacas de café robusta para Cuba.
Ensino
Outra modalidade de cooperativismo em destaque no estado é o educacional. Um bom exemplo é a Centro de Educação e Cultura “Saber” (Coopeducar), uma cooperativa de pais de Venda Nova do Imigrante. "Em 2000, um grupo de pais se uniu para oferecer uma educação diferente para os filhos. A idéia era fornecer uma maior formação com participação efetiva da família!, explica o presidente da Coopeducar, Diomar Vazzoler.

No início, eram apenas 20 pais. Hoje, são mais de 300. A escola da cooperativa atende 270 crianças. “Todas as decisões do colégio são tomadas em grupo. Essa é a essência do cooperativismo, a participação mútua”, diz a diretora da escola Elis Regina Falqueto.

O cooperado João Fábio Zandonadi, de 57 anos, diz que está muito feliz com os resultados obtidos pela cooperativa. “Aqui conseguimos tornar nossos filhos cidadãos. A preocupação maior não é com a quantidade de aulas e disciplinas, mas com a qualidade de estudos. E os resultados começam a aparecer. Conquistamos o primeiro lugar no Enem no Sul do estado e nossos alunos foram até para o exterior melhorar a formação. Isso não tem preço e nos dá muito orgulho como pais. Sabíamos que aquele sonho não era em vão”, comemora.

Fonte: G1



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.