Jovem recebe aparelho para surdez no ES e espera baterias há 4 meses

Drama_surda_7

Após passar por uma cirurgia de implante coclear para voltar a ouvir, uma adolescente de 13 anos enfrenta problemas com o aparelho auditivo, no Espírito Santo. Há quase quatro meses, a menina espera que o estado compre uma bateria para que o equipamento funcione. A Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) informou que o pedido do equipamento já foi feito e que as baterias devem chegar em breve.
Em outubro de 2010, a Justiça determinou que fosse fornecida a manutenção do equipamento e o custeio dos materiais e medicamentos, mas, segundo a família da adolescente, a determinação não vem sendo cumprida.
A mãe da menina, Lourdilene Mozer, contou que a adolescente está envergonhada e chateada com a situação. Ela fez a cirurgia em 2009 e espera a chegada das baterias para que o aparelho volte a funcionar. A mãe tem medo que a filha se isole e por isso comprou baterias improvisadas.
“O dia a dia dela tem sido complicado porque ela avançou muito e quando acontece um problema desse de faltar a bateria e também não ser utilizado o sistema que ela usa em sala de aula para entender o que o professor fala, há uma regressão. Eu sou cobrada pela escola, eu sou cobrada pela pedagoga, que de fato não sabem o que está acontecendo. Já tem três meses que ela não usa o sistema modular a frequência, porque a bateria que é usada no sistema FM, pode ser usada também no implante, mas acabou”, explicou.
A família contou que uma determinação da Justiça garante que o Estado forneça a manutenção do equipamento, o custeio de todos os materiais e medicamentos que forem necessários. “É lamentável, porque já ganhamos essa ação na Justiça. Já foi determinado, através de uma liminar. Existe uma sentença que diz que a minha filha e outras crianças tem direito a isso, garantido por lei”, disse.
Sem conseguir ouvir, a adolescente contou para mãe que vem passando por constrangimentos e que já quis deixar a escola. “Eu percebo que ela não quer nem ir pra escola. Ela vai forçada, porque ela tem dificuldade em ouvir o professor. As notas dela estão baixas, ela está com um complexo de inferioridade muito grande”, completou a mãe.
Em resposta ao caso, o subsecretário da Sesa, Edimar dos Anjos explicou que o pedido da fonoaudióloga da menina foi feito há somente 12 dias e que por ser específica, a bateria não pode ser estocada. “Essa bateria é muito específica e o fornecedor é de São Paulo. A partir da solicitação da fonoaudióloga da criança, abrimos um processo de compra. A empresa já está encaminhando essa bateria por Sedex 10 para a Superintendência e depois vai ser encaminhado para a paciente. A empresa fez contato com a família para saber a cor do aparelho, porque ela é muito específica. A informação que temos é que o pedido da fonoaudióloga foi feito no dia 4 de setembro. E isso faz doze dias”, afirmou.

Fonte: G1

Mais imagems

Drama_surda_16


Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.