Bebê pode ter sido sacrificado

Coveiro ceniro se assustou ao saber do ritual_200_200

A Polícia Civil investiga se um bebê foi sacrificado em ritual religioso, que começou por volta das 19h00 de sexta-feira, no cemitério do bairro Aeroporto, em Cachoeiro de Itapemirim. No local foram encontrados sangue e vísceras, em copos descartáveis, mas a perícia ainda fará exames para saber se são humanos. O corpo da criança, no entanto, não foi achado. Moradores chamaram a polícia quando o recém-nascido, que aparentava ter pouco mais de um mês de vida, começou a chorar insistentemente. “Ouvi o choro, olhei e vi seis adultos com o bebê, que estava no colo de uma mulher. Ela levantou a criança três vezes e beijou-lhe a testa”, relatou a dona de casa Sueli de Oliveira, 36.

Algumas crianças da rua também acompanhavam a movimentação. Sueli teve que sair para pedir que chamassem a polícia. Quando soube que foram encontradas vísceras no local, ela conta que chorou. “Não sabia que eles matariam a criança. Senão, eu teria impedido”. Quando a polícia chegou, entretanto, o grupo já havia se retirado, segundo testemunhas, apressadamente, em um carro vermelho. Além das vísceras, e de sangue no chão e também em dois copos descartáveis, havia no local duas velas pretas e duas brancas, duas garrafas de cachaça e uma réplica de caixão. A Polícia Civil busca informações que possam ajudar a resolver o caso. Até o fechamento da edição, nenhum dos suspeitos havia sido encontrado. As imagens da câmera de segurança de uma empresa vizinha ao cemitério foram solicitadas para ajudar na identificação do automóvel usado pelo grupo.

A perícia chegou ao cemitério do Aeroporto por volta das 22h30 e recolheu amostras das vísceras e do sangue, que foram encaminhados para análise no Departamento Médico Legal (DML) de Vitória. O caso assustou até quem trabalha no cemitério. “Trabalho há 34 anos aqui e no cemitério do Coronel Borges e nunca vi um fato desses. É assustador”, disse o coveiro Ceniro Antônio Alves, 61.

Choro

“Ouvi o choro, olhei e vi seis adultos com o bebê, que estava no colo de uma mulher. Não sabia que eles matariam a criança. Senão, eu teria impedido”.

Sueli de Oliveira, 36, dona de casa

Susto

“Trabalho há 34 anos aqui e no cemitério do Coronel Borges e nunca vi um fato desses. É assustador”,
Ceniro Antônio Alves, 61, coveiro.

Fonte: O Fato



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.