Sogra é acusada de mandar matar o genro

Reprodução

Uma dona de casa está sendo procurada pela polícia de Cachoeiro acusada de ter mandado matar o genro, o pintor Genilson Theodoro Souza, 28 anos, assassinado com dois tiros, um no peito e outro na testa, no último sábado à noite (26), na porta de sua casa, no bairro Zumbi.

Edna Turine dos Passos, segundo a delegada Ancila Zanol, saiu de casa logo após o crime, deixando para trás o filho menor de idade e o marido. Três homens suspeitos de terem participado do assassinato também estão foragidos.

O assassinato aconteceu na rua Nossa Senhora da Penha, bairro Zumbi. A vítima chegou a ser socorrida por familiares, mas morreu ao dar entrada na Santa Casa.

Genilson estava dentro de casa com sua mulher, que é filha de Edna, a filha de um ano do casal, além do irmão, da cunhada e do sobrinho.

Segundo testemunhas, Edna bebia em um bar a 50 metros da casa, acompanhada de três homens e depois foi até a porta da casa do genro. Dizia que ele a havia chamado.

A vítima negou que a tivesse chamado e os dois começaram a discutir. Num certo momento ela atirou contra ele uma garrafa e um copo de bebida. Logo depois, os três homens chegaram e um deles puxou a arma e atirou duas vezes.

O primeiro tiro acertou o peito de Genilson e quando ele já havia caído, o homem se aproximou e efetuou outro disparo na testa da vítima. Na confusão, a mulher do pintor desmaiou.

O irmão de Genilson ficou com medo de também ser baleado e fugiu para pedir ajuda à Guarda Municipal. Quando a viatura chegou na residência, os acusados já haviam fugido e o pintor socorrido.

Ancila Zanol destacou que, segundo depoimento de testemunhas e investigações da polícia na rua onde o crime ocorreu, não há dúvidas de que a sogra tenha planejado o assassinato do genro.

Também pesa contra a sogra o fato dela ter fugido. O caso agora será investigado pelo delegado de Crimes Contra a Vida, Guilherme Eugênio Rodrigues.

Sogra queria a casa de volta
Na última discussão entre o pintor Genilson Theodoro Souza, 28 anos, e sua sogra Edna Turine dos Passos, a mulher pediu a casa onde o genro vivia e deu prazo de dois meses para que ele saísse da residência.

A mulher de Genilson estava muito abalada e não quis falar com a imprensa. Mas em seu depoimento, explicou que a relação entre ela e o marido estava bem conturbada e que há um mês tiveram uma discussão grave, inclusive com agressões físicas.

Genilson foi parar na delegacia, prestou depoimento e foi liberado. A sogra, revoltada, brigou com o pintor e mandou que saísse da casa no prazo de dois meses. O marido, segundo sua mulher, estava procurando uma casa para alugar.

Um irmão da vítima comentou que Genilson era muito nervoso e que já havia pedido para que ele procurasse manter a calma.

Fonte:viaes



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.