fotógrafo de Cachoeiro desaparecido - um mês sem respostas

Ronaldo 1

Descalço, vestindo apenas bermuda e camisa, mas portando documentos pessoais, o fotógrafo Cachoeirense Ronaldo Costa Silva, de 55 anos, fechou o apartamento onde residia e não foi mais visto.

Seu desaparecimento é um mistério para a polícia, que investiga o caso, e principalmente para a família, que completa hoje um mês de sofrimento à sua procura.

A angústia é o sentimento que se apossou dos familiares do fotógrafo. Quem abre o coração para falar do assunto é o irmão Rubens Costa Silva. Ele diz que a família não perde as esperanças de encontrá-lo vivo, uma vez que é pessoa de bem, sem vícios ou inimizades.

“Ronaldo era muito independente, membro do grupo religioso Racionalismo Cristão, e morava sozinho no bairro Amarelo, porém tinha bom relacionamento com todos os irmãos e, principalmente, com nosso pai, de 82 anos. Ele é quem mais sente sua falta”, informa Rubens.

O irmão revela um pouco do cotidiano de Ronaldo, que, além de fotojornalista, é também técnico em enfermagem. Porém, estava sem trabalho fixo. “Ele atualmente não tinha emprego. Fazia ‘bicos’ como técnico. Costumava ir todos os dias, por volta das 6h00, à casa de papai, fotografar a natureza e focos de mosquitos da dengue pela região, como, por exemplo, a Safra. Ia sempre descalço e com a câmera profissional”, relata Rubens.

No dia anterior ao seu desaparecimento, Ronaldo passou a noite na companhia de um tio hospitalizado na Santa Casa de Misericórdia. Cogitou comprar um notebook para presenteá-lo e, posteriormente, fez uma ligação para ele, por volta das 10h00, seu último contato.
A família teve de arrombar a porta do apartamento dele. Havia duas janelas abertas, mas protegidas por grades. Na residência, encontraram pouca quantia em dinheiro, sua câmera fotográfica, notebook e celular, roupas e calçados. Os pertences eletrônicos estão com a Polícia Civil, para investigação. Ronaldo não tem filhos e se divorciou há oito anos.

Investigação

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Eduardo Teixeira Coelho, nas últimas três semanas foram realizadas buscas nos lugares que o desaparecido costumava frequentar para fotografar.

O delegado informou que os aparelhos eletrônicos foram analisados, em busca de pistas, mas a polícia não encontrou nada suspeito. Sem evidências de crime, o caso é encarado como desaparecimento.

“Estamos trabalhando em busca de informações, através de pessoas que o conheciam, mas as informações são poucas. Sabemos que fazia uso de remédios controlados e que foi visto por volta das 11h30 no dia 08 (de outubro, quando desaparecera), de bermuda e descalço, caminhando próximo à Safra”.

Segundo os investigadores, o caso se complica ainda mais, porque, embora costumasse sair para fotografar, Ronaldo deixou em casa a máquina fotográfica e o celular.

Qualquer informação pode ser passada pelos números 181, 190 ou 28 3521-1856 (delegacia de Cachoeiro). Não é preciso se identificar.

Fonte: O Fato

Mais imagems

Ronaldo 2


Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.