Preso com cocaína em helicóptero faz parte de quadrilha do MS, aponta auto

Helicoptero_620

Um dos quatro presos por descarregar 445 kg de pasta base de cocaína de um helicóptero – pertencente a uma empresa da família do senador mineiro Zezé Perrella (PDT) – informou que faz parte de uma quadrilha chefiada em Ponta Porã, Mato Grosso do Sul, município próximo a uma rota para o tráfico internacional de drogas. As informações constam no auto de prisão em flagrante emitido pelo juiz Jorge Orrevan Vaccari Filho, da 2ª Vara da Comarca de Afonso Cláudio, região Serrana do Espírito Santo, no dia 26 de novembro. Pela autoridade considerar o crime “transnacional”, o documento foi encaminhado para a Justiça Federal.
No dia 24 de novembro, a Polícia Militar apreendeu o helicóptero, a droga e prendeu o piloto, o copiloto e dois homens que aguardavam a transação em uma fazenda, em Afonso Cláudio, no Espírito Santo. A cocaína, que vinha do município de Avaré, no interior de São Paulo, havia sido descarregada da aeronave e estava pronta para ser despachada quando aconteceu a prisão. A movimentação já estava sendo investigada há 20 dias, antes do flagrante.
Custo do serviço
De acordo com o auto de prisão, o grupo receberia mais de R$ 186 mil para fazer o transporte da droga, de São Paulo ao Espírito Santo.
O responsável por organizar a transação ilegal disse que o piloto da aeronave receberia R$ 106 mil pelo transporte, mais o custo da despesas. Já o copiloto iria ganhar R$ 60 mil. O transporte terrestre seria feito por R$ 20 mil e o morador que conhecia a região receberia US$ 100, que equivale a aproximadamente R$ 233.
Os 445 kg de cocaína foram transportados em uma aeronave com valor estimado em R$ 3 milhões. Segundo consta no documento, uma fazenda, próxima ao local onde o helicóptero fez o pouso, foi adquirida apenas para a chegada da droga, no valor de R$ 500 mil.
Com os suspeitos, a polícia também apreendeu 11 aparelhos celulares, sendo dois deles com comunicação via satélite, e dois aparelhos GPS, com capacidade de navegação aérea em grandes distâncias.
De acordo com o documento da Justiça, o copiloto e responsável pelo carregamento da aeronave se negou a informar como a carga teria entrado no aeroporto do Campo de Marte, em São Paulo, e de onde ela teria vindo. Segundo a Justiça do Espírito Santo, ele quer evitar que o grupo responda por um crime mais grave, o de tráfico internacional.
Vistoria
Na última sexta-feira (6), agentes da Polícia Federal (PF) fizeram uma vistoria no local de pouso da aeronave, na cidade de Afonso Cláudio, e também na fazenda que teria sido comprada para receber a droga.

Fonte: G1

Mais imagems

Operacao_alfonso_claudio-25_11_2013-b
Operacao_alfonso_claudio_25_11_2013_bruto


Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.