Secretaria da Saúde é autorizada a fazer repasses para a Clínica Santa Isabel

Santa izabel

Os deputados estaduais aprovaram, em sessão extraordinária nesta quarta-feira (26), o Projeto de Lei 56/2014, que autoriza o Poder Executivo a repassar, por intermédio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), recursos financeiros à Clínica de Repouso Santa Isabel, de Cachoeiro de Itapemirim (sul do Estado). O objetivo é complementar aos valores das diárias de internação para os pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) atendidos pela clínica psiquiátrica do sul do Estado.

O repasse dos recursos fica condicionado à submissão da clínica a um programa de adequação às normas da Política Nacional de Saúde Mental. O valor a ser repassado será estabelecido pelo Poder Executivo após análise financeira.

Este repasse para a rede privada de atenção à saúde é largamente questionado por profissionais da área de saúde mental. A clínica Santa Isabel já teve o fechamento pedido após um censo realizado no estabelecimento entre 18 e 20 de março de 2013, que coletou denúncias de diversos internos.

De acordo com a psicóloga Bárbara Malvestio, integrante do Fórum Capixaba em Defesa da Saúde Pública, ressalta que a rede privada deve ser complementar, não prioritária. No entanto, no Estado os estabelecimentos privados são priorizados pelo governo, como mostra o repasse para a Santa Isabel.

A psicóloga explica que falta o investimento correto na rede de atenção à saúde mental, sendo que somente a Clínica Santa Isabel concentra quase 70% dos leitos de internação do Estado. Ela ressalta que essa realidade é evidente quando se constata que poucos municípios têm hospitais com equipes especializadas para atendimento em saúde mental. “Quando um paciente em surto dá entrada em hospitais, em diversos municípios, é imediatamente encaminhado para clínicas como a Santa Isabel, mas deveria haver leito em hospitais para atender a esses pacientes”, diz ela.

Bárbara salienta, ainda, que a rede de atenção à saúde mental no Estado não está sendo consolidada, sequer fortalecida. Ela dá como exemplo Castelo, no sul do Estado, onde mora. No município, segundo ela, o Centro de Atenção Psicossocial (Caps) fica em uma região afastada da área central. Não passa ônibus no local. A psicóloga explica que isso afasta o cidadão do serviço, por conta da dificuldade de acesso.



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.