Justiça recebe ação de improbidade contra prefeito de Cachoeiro de Itapemirim

Carlos

O juiz da Vara da Fazenda Pública de Cachoeiro de Itapemirim (região sul do Estado), Robson Louzada Lopes, determinou o recebimento de uma ação de improbidade contra o prefeito do município, Carlos Casteglione (PT), e mais três pessoas. Eles são acusados de participação no esquema de fraudes tributárias, revelado pela Operação Camaro. Na decisão publicada nesta quarta-feira (30), o magistrado afirma que o prefeito teve ciência das denúncias contra a empresa Urbis – Instituto de Gestão Pública, mas não evitou o prejuízo aos cofres públicos.

Para o juiz, o prefeito Carlos Casteglione não “tomou a atitude de anular o contrato e recuperar o prejuízo sustentando a licitude, o que mostra nesse momento processual uma possível atuação intencional no caso”. Além do petista, o presidente da Urbis, Mateus Roberte Carias; o secretário municipal da Fazenda, Lucio Berilli Mendes, que solicitou o serviço de consultoria; e o procurador-geral do município, Vagner Antonio de Souza, figuram como réus no processo ajuizado pelo Ministério Público Estadual (MPES), tombado sob nº 0007591-30.2013.8.08.0011.

Na decisão, o magistrado destacou que a Procuradoria do município teria capacidade para realizar o serviço de recuperação de créditos tributários, porém, os serviços acabaram sendo realizados de forma irregular pela empresa: “São procuradores concursados sendo que, alguns deles, possuem nível de pós-graduação e mestrado. Isso traz uma percepção negativa sobre a possibilidade de contratação de serviços de advocacia, quando existe equipe técnica no quadro de procuradores capaz, em tese, de exercer com louvor a missão de recuperação de créditos previdenciários”.

E completou: “Há que se ressaltar também que o assunto em questão não é de complexidade gigante capaz de necessitar de busca de profissionais que não estejam exercendo a advocacia pública para o município. […] A percepção inicial é que qualquer profissional aprovado no concurso para procurador do município poderia realizar o patrocínio da causa, sobretudo quando os autos evidenciam que a própria municipalidade levantou o quanto a ser devolvido”.

Para o juiz, a contratação da Urbis não poderia ser justificada pela falta de profissionais neste tipo de serviço no mercado. “Uma simples busca em sítios eletrônicos dos tribunais regionais federais evidencia a atuação de diferentes profissionais nessas causas, o que reforça ainda mais a tibieza do argumento da singularidade do serviço e de que não haveria, por conseguinte, a possibilidade de concorrência”, sugeriu.

Na denúncia inicial, o Ministério Público aponta que a empresa é responsável por um esquema de fraudes na recuperação de créditos tributários em 98 prefeituras de todo o País – entre elas, 33 prefeituras capixabas. As fraudes podem ter causado um rombo aos cofres públicos de até R$ 49 milhões, de acordo com a Receita Federal e o Ministério Público. Em abril de 2012, o presidente da Urbis chegou ser a preso durante a operação policial.

Segundo as investigações, os representantes da empresa procuravam assessores de prefeitos, procuradores municipais e até chefes do Executivo oferecendo os serviços de recuperação de créditos tributários supostamente pagos a mais. No entanto, os fiscais da Receita verificaram que a maior parte desses valores havia sido recolhida corretamente e não era passível de recuperação pelos municípios. Para cada operação, a empresa cobrava um percentual que variava entre 15% e 20% do total recuperado.

No período entre 2007 e 2011, a Receita detectou que as prefeituras contratantes realizaram compensações próximas a R$ 245 milhões, o que garante uma arrecadação estimada pela quadrilha entre R$ 36,7 milhões e R$ 49 milhões. Apenas no Estado, a Urbis faturou cerca de R$ 7 milhões, de acordo com levantamento do Ministério Público de Contas (MPC).

Em Cachoeiro de Itapemirim, a Urbis foi contratada por dispensa de licitação em junho de 2010, pelo prazo de vigência de 12 meses. O acordo previa que a empresa receberia 10% dos valores recuperados. Entre julho e novembro daquele ano, a prefeitura pagou R$ 53,7 mil à empresa, muito embora tenham sido reservados outros R$ 350 mil no orçamento, conforme dados do Portal da Transparência do município. Em outubro de 2011, o contrato foi prorrogado por mais doze meses.

Fonte: Século Diário



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.