CRM e Polícia Civil investigam o caso do bebê que morreu após parto feito por faxineira em Guaçuí

Santa casa

O caso do bebê que morreu em Guaçuí, no Sul do Espírito Santo, depois que uma faxineira e quatro técnicas de enfermagem precisaram realizar o parto de uma mulher de 26 anos, vai ser investigado pelo Conselho Regional de Medicina (CRM-ES), através de uma sindicância. A informação foi confirmada pelo órgão nesta quarta-feira (27). Conselho Regional de Enfermagem e a Polícia Civil também investigam o caso.

Em entrevista por telefone para o telejornal Balanço Geral Espírito Santo, da TV Vitoria/Record, o pai da criança, Roque Denis, disse que “é evidente” que a morte do filho aconteceu em decorrência a um erro médico e afirmou que vai entrar com processo judicial contra a Santa Casa de Misericórdia de Guaçuí.

“A minha esposa estava com a criança saudável. Todos os exames foram feitos. Tudo normal. Foram 39 semanas de gestação tranquilas. Deveria ser feita uma cesariana, mas não foi feito. Nós vamos entrar com ação judicial contra o hospital que não tinha médico de plantão na hora do parto", disse.

Denis diz que a família inteira “está destruída”. “Estamos acabados, destruídos. Estávamos esperando com tanto carinho, com tanto amor o bebê. Não há palavras”, completou.

Em nota, a Santa Casa de Guaçuí e o diretor técnico do hospital informaram que foi aberto um processo administrativo para apurar o que aconteceu e a conclusão deve sair em quinze dias.

Já o Conselho Regional de Enfermagem (CRE) também está investigando o caso. O CRE informou que os enfermeiros, em caso de urgência e emergência, podem ajudar no parto, mas disse que é cedo para avaliar o que aconteceu em Guaçuí.

O Sindicato dos Médicos do Espírito Santo (Simes) informou que o médico de plantão pode estar de sobreaviso e ser acionado em um momento de urgência, e que, em Guaçuí, o diretor do hospital deveria ter realizado o parto no caso de outro médico não estar no local.

Já a Polícia Civil, informou que está apurando e que ainda é cedo para dizer se houve negligência ou omissão de socorro.

O caso

O bebê de Graciane de Oliveira Furtado morreu depois que uma faxineira e quatro técnicas de enfermagem precisaram realizar o parto, em Guaçuí, no Sul do Estado.

Graciane teria ido até a Santa Casa de Misericórdia de Guaçuí para ter o bebê no último dia 14 de agosto, mas não foi atendida pelo médico.

Segundo Graciane, todos os exames da gestação foram feitos e constataram que o bebê era grande, o que acabou se tornando uma preocupação para a mãe, já que não tinha condições de pagar por uma cesárea.

Na hora do parto, a faxineira subiu em cima de Graciane e empurrou a barriga dela, e uma das enfermeiras disse que o bebê tinha virado. A criança nasceu roxa e precisou ser levada para o Hospital Infantil Francisco de Assis, em Cachoeiro de Itapemirim, por conta da falta de oxigenação no parto.

Um dia após ser transferido, o bebê não resistiu e morreu. A certidão de óbito apontou que a morte foi causada por asfixia perinatal e parto distorcido, que é quando há complicação.



Publicidade


Outras Notícias


Cachoeiro se prepara para receber mais uma edição da Stone Fair

Bienal Rubem Braga terá encontro nacional de literatura fantástica

Dia D de vacinação contra gripe em Cachoeiro é no sábado (12)

Inscrições no Enem já começaram

Inscrições para o Enem passam de 200 mil em uma hora e meia

São Pedro de Tarantásia, foi um homem pacificador

Diocese de Cachoeiro adota medidas para evitar contágio de gripes

Santa Casa lança campanha para incentivar mulheres a doar sangue

Estudantes são assaltadas na porta de faculdade em Cachoeiro

Homem é morto durante tentativa de assalto em Cachoeiro

Nasceu; e agora? Psicólogos explicam como lidar com a depressão pós-parto

Atenção, motoristas! IPVA de veículos com finais de placas de 6 a 0 começa a vencer

Prorrogado para 10 de maio prazo para renovar contratos do Fies

Campanha de vacinação em todo o país vai até 01 de junho

Conta de luz: Em maio bandeira tarifária mais cara

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.