ES é quarto que mais vacinou contra o HPV, mas 34 meninas tiveram efeitos colaterais

Vacinacao-hpv-jpg

Com uma campanha governamental acentuada desde o dia 1º de setembro, para a segunda dose, o Espírito Santo vacinou cerca de 10 mil crianças contra o vírus do HPV. No total, desde a primeira dose, são 90 mil vacinas aplicadas a pouco mais de 80 mil meninas. O número está acima da média nacional, porém as polêmicas acerca de efeitos colaterais ainda são discutidas.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), desde o início da vacinação, na primeira dose, 34 meninas tiveram algum registro de reação adversa leve, como náusea, desmaio, dor no local da aplicação e mal estar.

“É importante ressaltar que o Espírito Santo não registrou nenhuma reação grave, além disso, estudos corroboram o Ministério da Saúde em mostrar que a vacina diminui o risco de infecção pelo vírus e verrugas genitais”, afirma a coordenadora do programa de imunização da Sesa, Danielle Grillo.

Danielle ressalta que, como qualquer medicamento, a vacina contra o HPV possui componentes químicos que podem causar reações alérgicas e existem contra indicações. “A vacina pode sim ter algum efeito colateral, como por exemplo, quem é alérgico a alguma substância da vacina. Quem está grávida também não pode tomar a vacina”, diz.

Desde 1º de setembro, quando começou a vacinação contra o HPV, o Espírito Santo chegou a 93% da meta indicada pelo Ministério da Saúde, que é de atingir 86 mil meninas, de 11 a 13 anos. O Estado está em quarto lugar no ranking nacional, atrás de Ceará, São Paulo e Santa Catarina.

O vírus

O HPV é um vírus transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas por meio de relação sexual. Também pode ser transmitido da mãe para o filho no momento do parto. Uma estimativa da Organização Mundial da Saúde aponta que 290 milhões de mulheres no mundo são portadoras da doença, sendo 32% infectadas pelos tipos 16 e 18. O Ministério da Saúde orienta que mulheres na faixa etária dos 25 aos 64 anos façam o exame preventivo, o Papanicolau, anualmente. A vacina não substitui a realização do exame preventivo e nem o uso do preservativo nas relações sexuais.



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.