Quase metade dos brasileiros está acima do peso

O-gordo-rico

A má alimentação e o sedentarismo têm elevado o índice de pessoas com excesso de peso no Brasil de forma cada vez mais rápida. Praticamente metade dos brasileiros está acima do peso, de acordo com um estudo divulgado nesta segunda-feira pelo Ministério da Saúde. O levantamento mostra que 48,1% da população brasileira tem sobrepeso ou obesidade. Em 2006, a taxa estava em 42,7%.

O problema atinge os homens numa proporção maior: na população masculina, o porcentual de sobrepeso é de 52,1%, ante 44,3% entre as mulheres. A capital com maior percentual de moradores com Índice de Massa Corpórea (IMC) acima de 25, o nível máximo adequado, é Rio Branco (AC): lá, a taxa é de 55,2%. O menor nível é o de Palmas (TO): 36,6%.

A parcela de adultos considerados obesos passou de 13,9% em 2009 para 15% em 2010. Em 2006, esse porcentual era de 11,4%. Se a média de crescimento for mantida, em 13 anos o Brasil terá um índice de obesidade semelhante ao dos Estados Unidos, onde o problema é tratado como uma epidemia.

A pesquisa constatou também os fatores que influenciam o aumento da obesidade: 28% da população gastam mais de três horas diárias diante da televisão, enquanto apenas 14,9% praticam atividades físicas regularmente.

A má alimentação é outra razão apontada para o aumento da obesidade. Apenas 18,2% da população adulta consomem a quantidade adequada de frutas e hortaliças, de acordo com o Ministério da Saúde. E 28% bebem refrigerantes ao menos cinco dias na semana.

O secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Jarbas Barbosa diz que o aumento da renda da população exige que o governo aumente a difusão de informações sobre hábitos saudáveis: “A melhoria dos padrões sociais do Brasil tem propiciado um maior acesso aos bens de consumo. Uma maior instrução pode fazer com que as pessoas, ao invés de adquirir produtos que não têm valor nutricional, consumam mais frutas e verduras”.

Fumo – A pesquisa, que ouviu mais de 54.000 pessoas em 2010, confirmou ainda a tendência de queda lenta no porcentual de fumantes no país. Hoje, 15,1% da população são dependentes do cigarro. Em 2006, esse índice era de 16,2%. “Essa redução é mais lenta entre os menos instruídos. Isso, junto com outros fatores de risco, explica por que a carga das doenças não-transmissíveis se reduz menos ou cresce entre as pessoas mais pobres”, avalia Jarbas Barbosa.

Outro dado que resultou da pesquisa aponta que o consumo de bebidas alcoólicas de forma excessiva atinge 18% da população, contra 16,2%, em 2006. O aumento ocorreu de forma mais expressiva entre as mulheres.

As conclusões da pesquisa devem ser usadas para orientar a formulação de políticas públicas pelo Ministério da Saúde. Os dados também vão ser aplicados para orientar a posição do Brasil na reunião em que chefes de estado de todo o mundo discutirão a situação da saúde pública no planeta. O encontro ocorre em setembro, na sede das Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.