A prova mais difícil para os sobreviventes da escola Tasso da Silveira

Alunos-tasso-silveira-realengo-20110418-size-598

Os alunos do nono ano da Escola Municipal Tasso da Silveira enfrentaram, na tarde desta segunda-feira, uma prova mais difícil do que se pode supor para esta fase da vida. Aliás, para qualquer etapa da vida, independentemente da idade ou do grau de instrução. Estudantes mais velhos da unidade, os 140 adolescentes das quatro turmas da última série do ensino fundamental foram os primeiros a retornar à escola. A frequência ainda é baixa, mas todos acabaram aprovados com louvor na missão de enfrentar a reabertura dos portões e de dar o primeiro passo rumo à recomposição da escola.

“Os alunos de fora não vão querer vir para esta escola. Nós, que estudamos há tempos aqui, temos que ficar. Temos que superar. Estava insegura, mas acabou tudo tranquilo”, defendeu Giovanna Mesquita, 14 anos, uma das estudantes que compareceu para, sob orientação de psicólogos, passar pouco mais de duas horas no pátio da escola.

No início dos trabalhos, formou-se um círculo, onde foram explicadas as atividades e divididos os grupos. O dia foi basicamente de desenhos. Temas como paz, natureza e fé foram os preferidos dos alunos.

“Todo mundo se sentiu muito triste pelos amigos que se foram. Os professores falaram para esquecer isso e seguir em frente”, contou Lucas Alexandre Martins, de 14 anos. Á saída da escola, Miriam Rodrigues, 15 anos, contou que desenhou o Cristo Redentor e pássaros, numa forma de tentar afastar as imagens de dor e sofrimento. “A escola precisa do nosso apoio, quem faz a escola somos nós”, afirmou.

As atividades artísticas devem estar, a partir de agora, mais presentes nas atividades da Tasso da Silveira. Por volta do meio-dia, a secretária municipal de Educação, Cláudia Costim, reuniu-se com uma comissão de paz e prometeu atender aos pedidos encaminhados por eles para melhorar o ambiente na retomada das aulas. Os pais pediram posicólogo permanente na escola, atenção especial para crianças com comportamento apático, presença da guarda municipal na porta da unidade, mais dois inspetores e um posto de atendimento médico.

Primo do menino Luan Victor, ferido por um dos tiros do atirador Wellington Menezes de Oliveira e ainda internado, o aluno Igor Evangelista, 14 anos, teve dificuldades para retornar à escola. Ele recebeu o apoio da mães, a técnica de enfermagem Cíntia de Moraes Evangelista, 31 anos. “Foi bom reencontrar os amigos. Vou continuar. Agora já passou. Está tudo novo. Começamos a desenhar o refeitório, amanhã vamos pintar”, disse Igor.

Cíntia assumiu a postura que, para psiquiatras e psicólogos, é a mais recomendada neste momento. “Acompanhei o dia do meu filho. Viria só para trazer, mas quando chegamos perto da escola ele não queria entrar. Até eu fiquei nervosa quando cheguei. Vou tentar vir na próxima segunda-feira, que é quando devem subir para as salas, ver o lugar onde aconteceu tudo aquilo”, diz.



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.