TJES anula condenação e determina novo julgamento do prefeito Carlos Casteglione

Carlos

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) anulou a condenação do prefeito de Cachoeiro de Itapemirim (região sul capixaba), Carlos Casteglione (PT), que responde a uma ação penal por fraudes em licitação. No julgamento realizado no último dia 2, o desembargador Adalto Dias Tristão, relator do caso, acolheu o recurso da defesa do petista, que defendeu a diferenciação entre as ações criminais e cíveis sobre a contratação de uma empresa para manutenção de veículos. Em maio passado, Casteglione havia sido condenado a dois anos e quatro meses de reclusão, além do pagamento de multa.

De acordo com o acórdão do julgamento, publicado no Diário da Justiça dessa segunda-feira (14), o relator apontou a nulidade na fundamentação da decisão anterior, que foi de responsabilidade do desembargador substituto Fábio Brasil Nery. Segundo Adalto, “o fundamento para a responsabilização civil por ato de improbidade administrativa não pode ser o mesmo utilizado para uma condenação criminal”.

“O acusado por ato de improbidade administrativa pode ser condenado a título de culpa, comprovando-se apenas o dano ao erário ou enriquecimento ilícito, mas somente poderá ser culpado por crime definido na Lei de Licitações se for comprovada conduta dolosa. […] Verificada a nulidade na fundamentação [da decisão], impõe-se a nulificação da condenação, devendo ser feito novo julgamento, preservando-se todos os atos processuais anteriores ao acórdão anulado”, considerou Adalto.

Segundo o voto do relator, os autos da ação penal (0001417-72.2012.8.08.0000) deverão retornar à fase da apresentação de memoriais – quando a acusação e a defesa apresentam seus últimos argumentos antes do julgamento – no prazo de dez dias. A partir disso, o desembargador deverá elaborar seu voto e levar o caso à apreciação do colegiado. Não há um prazo definido para a realização do novo julgamento.

A denúncia foi movida pelo Ministério Público Estadual (MPES) como um dos desdobramentos da Operação Moeda de Troca, que desbaratou um esquema de fraudes em contratos nas prefeituras capixabas. O órgão ministerial apontou irregularidades na contratação da empresa Impacto Máquinas, que prestava o serviço de manutenção na frota de veículos do município, além de suspeitas no contrato de fornecimento de palco, som e iluminação do carnaval de 2009. A alegação era de que o edital da licitação foi direcionado para a contratação das empresas do esquema.

Durante o primeiro julgamento, iniciado em abril deste ano e concluído no mês seguinte, o colegiado absolveu o prefeito de Cachoeiro de Itapemirim da prática dos crimes de formação de quadrilha e de dispensa ilegal de licitação, mantendo apenas a condenação por fraude em licitação. Foi fixada a pena de dois anos e quatro meses de detenção em regime aberto, e o pagamento de uma multa no valor de 2,5% do contrato licitado, que era de R$ 8,3 milhões.



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.