Servidores da Ufes decidem pela manutenção da greve

Ufes

Os servidores técnico-administrativos da Universidade Federal do Estado (Ufes) decidiram manter a greve da categoria, que já dura 125 dias. Os servidores consideraram que o governo federal, além de ter feito uma proposta rebaixada, que não atende por completo as reivindicações da categoria, não assinou e nem publicou nas instâncias cabíveis o termo de acordo feito nas negociações dos ministérios do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) e da Educação (MEC) com a Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra).

Diante disso, a assembleia geral unificada da categoria, realizada nesta sexta-feira (2), no campus de Goiabeiras, em Vitória, decidiu manter o movimento a fim de aguardar a finalização do termo de acordo, publicado e assinado pelo governo. A categoria também aprovou a realização de uma nova assembleia geral na próxima segunda-feira (5), às 10 horas, na subseção sindical do Hospital Universitário (Hucam), o Hospital das Clínicas, no campus de Maruípe, também na Capital.

A previsão é de que o texto do termo de acordo seja finalizado e assinado pelo governo até esta segunda. A orientação da Fasubra é de que os sindicatos de base realizem assembleias para homologar ou não o termo na segunda e terça-feira e que haja uma saída unificada da greve na próxima quarta-feira (7). Isso pode acontecer caso o governo assine e publique o termo.

Caso o governo assine e publique o termo de acordo com a Fasubra, a previsão é de que a assembleia geral unificada não deva aprovar o documento.

“Consideramos que a proposta do governo é rebaixada, pois não traz solução para nossa jornada, o reajuste salarial não é o ideal, o reposicionamento dos aposentados não foi contemplado, por isso podemos não aprovar o termo”, informa o representante do Comando de Greve do Sindicato dos Trabalhadores na Universidade Federal do Estado (Sintufes), José Magesk.

Apesar disso, a greve deve acabar, caso o governo se comprometa a assinar e publicar o termo.

“A Fasubra já tem a decisão das assembleias da base, e a maioria votou em favor do termo. Nós fomos contrários. Mas, vamos sair juntos da greve, respeitando a decisão da maioria da base da nossa Federação”, revela Magesk.

Corte de ponto

O acordo de greve apresentado à Fasubra nesta semana não contempla a questão do corte de ponto. No entanto, a Fasubra encaminhou ao governo que esse item tenha uma redação distinta das demais categorias que fecharam acordo recentemente. Isso porque, há a decisão do ministro Napoleão Nunes, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), contrária ao corte de ponto de grevistas em função do governo não ter avançado com os pontos reivindicados.

Essa decisão é da greve de 2014, mas no início da greve deste ano, o ministro deu novo despacho nesse sentido.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.