Justiça vai leiloar carros de ex-contador da Câmara de Cachoeiro condenado por corrupção

Leilao

A Justiça estadual vai realizar, nesta quinta-feira (15), o leilão de quatro veículos apreendidos do ex-contador da Câmara de Vereadores de Cachoeiro de Itapemirim, Hélio Grechi Roza, condenado por atos de corrupção. Ele foi sentenciado a mais de 16 anos de prisão por desvio de dinheiro público. Os veículos avaliados em R$ 94 mil foram apreendidos durante a Operação Parlamento Rosa, deflagrada em outubro de 2013. As investigações apontaram um rombo de R$ 2 milhões no erário pelo esquema de desvio de recursos públicos na folha de pagamentos da Casa.
O leilão acontece na sede da Associação Comercial de Cachoeiro de Itapemirim (Acisci), que fica localizada no bairro Guandu, a partir das 9 horas. Os veículos fazem partes dos lotes 02 a 05: Toyota Corolla XEI 1.8, ano 09/10, avaliado em R$ 36 mil e cujo lance inicial é de R$ 28,8 mil; Volkswagen New Beetle importado, 07/07 (avaliado em R$ 28 mil e tem lance mínimo de R$ 22,4 mil); Peugeot 307 16, 07/08 (avaliado em R$ 17 mil e tem lance inicial de R$ 13,6 mil); e um Chevrolet Celta 1.0 LS, 12/12 (avaliado em R$ 13 mil e tem lance mínimo de R$ 10,4 mil). Caso os valores mínimos não sejam atingidos, um novo leilão acontecerá no próximo dia 29. O valor recolhido no leilão será reincorporado ao erário municipal.

Na denúncia inicial, a promotoria do município sustentou que o ex-contador da Câmara teria “arregimentado um exército de co-autores, atuando em franca progressão criminosa, o que demonstra de maneira inequívoca a sua personalidade voltada para a prática de crimes e a forte possibilidade de reiteração criminosa”. O esquema de fraudes no pagamento de tributos e contribuições previdenciárias, cujos recursos acabavam desviados para as contas de terceiros, teria ocorrido entre os anos de 2005 a 2009 e no período entre 2012 e 2013.

Além da ação penal, o Ministério Público ajuizou uma ação de improbidade contra o ex-contador e mais oito pessoas – entre parentes de Hélio Grechi, empresários e supostos laranjas – para cobrar o ressarcimento integral dos valores desviados. A denúncia já foi recebida pela Justiça estadual, que determinou a indisponibilidade dos bens de todos os acusados.

A Operação Parlamento Rosa foi deflagrada em outubro de 2013 com o objetivo de colher mais documentos sobre o esquema de irregularidades na folha de pagamento da Câmara de Cachoeiro. Ao todo, nove pessoas foram presas, entre elas, servidores da Casa. Segundo as apurações, o então contador teria utilizado o dinheiro público para realizar uma série de negócios, como a compra de veículos, máquinas pesadas, imóveis e até cabeças de gado. A notícia da denúncia partiu do atual presidente da Casa, Júlio Ferrari (PV), que solicitou a abertura das investigações.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.