Estrela do Norte pode encerrar atividades no ano do centenário

Presidente_e_contador-149926

Prestes a completar 100 anos de existência, o Estrela do Norte poderá fechar as portas do clube em 2016 caso não consiga quitar R$ 1.640.673,20 (Um milhão, seiscentos e quarenta mil, seiscentos e setenta e três reais e vinte centavos). O presidente Adilson Conti disse que o momento é delicado, mas que as providências necessárias para impedir que o pior aconteça já estão sendo tomadas, mas talvez não sejam suficientes.
Há 40 anos participando de competições profissionais, o alvinegro cachoeirense acumula vitórias com títulos dentro e fora do campo. “A nossa batalha fora de campo é com os tribunais, que não perdoam e quase sempre quem perde é o clube, que acumula uma dívida de mais de R$ 1,5 milhões. Deste total, R$ 700 mil foram dívidas contraídas no período em que o clube foi terceirizado para um empresário, que nos deixou com essa herança maldita, além de outros R$ 600 mil na Receita Federal, INSS e Caixa Econômica Federal. Temos que esclarecer que estas dívidas foram adquiridas durante os 40 anos de profissionalismo, e muitas delas por má gestão e outras por falta de recursos que foram prometidos e não cumpridos”, explica o presidente.
A diretoria do clube contratou o advogado Jefferson Pereira Barbosa, que tem trabalhado para resolver as questões trabalhistas. “Já recorremos em 2ª Instância junto ao presidente do TRT/ES, e solicitamos a unificação dos processos em apenas uma Vara do Trabalho, e que seja feita uma audiência de conciliação, pois o clube possui mais de R$ 400 mil bloqueados judicialmente e depositado em conta do juizado”, afirma Adilson.
E ainda fora de campo, o Estrela do Norte tem mais um obstáculo. Para se enquadrar na Lei PROFUT do Governo Federal, de nº 13.155, de 4 de agosto de 2015, e participar de qualquer competição promovida pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e Federações afiliadas, o clube é obrigado a possuir Certidões Negativas na Receita Federal, INSS e Caixa Econômica Federal. “Não sou contra a Lei, pelo contrário, acredito que ela pode fazer bem ao futebol. Mas, igualar todos os clubes Brasileiros das várias divisões é uma covardia. O valor mínimo para pagamento do parcelamento é de R$ 3 mil. No caso do Estrela, seriam R$ 6 mil mensais, e se deixar de pagar em três meses a dívida volta e o parcelamento é cancelado, com isso, o clube pode ser punido com o rebaixamento de série”, continua.
O presidente contratou o contador Felipe Ribeiro Macedo, que está trabalhando para parcelar as dívidas e conseguir a liberação das certidões para viabilizar a participação do clube no Campeonato Capixaba de 2016. “O primeiro passo já foi dado. Fizemos o certificado digital e levantamos os débitos junto à Receita Federal, a Procuradoria Nacional da Fazenda e os débitos do FGTS. Agora vamos juntar os documentos, que incluem as demonstrações contábeis e financeiras, para protocolar na Receita e pedir para a consolidação dos débitos”, explica o contador.



Publicidade


Outras Notícias


Cachoeiro se prepara para receber mais uma edição da Stone Fair

Bienal Rubem Braga terá encontro nacional de literatura fantástica

Dia D de vacinação contra gripe em Cachoeiro é no sábado (12)

Inscrições no Enem já começaram

Inscrições para o Enem passam de 200 mil em uma hora e meia

São Pedro de Tarantásia, foi um homem pacificador

Diocese de Cachoeiro adota medidas para evitar contágio de gripes

Santa Casa lança campanha para incentivar mulheres a doar sangue

Estudantes são assaltadas na porta de faculdade em Cachoeiro

Homem é morto durante tentativa de assalto em Cachoeiro

Nasceu; e agora? Psicólogos explicam como lidar com a depressão pós-parto

Atenção, motoristas! IPVA de veículos com finais de placas de 6 a 0 começa a vencer

Prorrogado para 10 de maio prazo para renovar contratos do Fies

Campanha de vacinação em todo o país vai até 01 de junho

Conta de luz: Em maio bandeira tarifária mais cara

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.