Estrela do Norte pode encerrar atividades no ano do centenário

Presidente_e_contador-149926

Prestes a completar 100 anos de existência, o Estrela do Norte poderá fechar as portas do clube em 2016 caso não consiga quitar R$ 1.640.673,20 (Um milhão, seiscentos e quarenta mil, seiscentos e setenta e três reais e vinte centavos). O presidente Adilson Conti disse que o momento é delicado, mas que as providências necessárias para impedir que o pior aconteça já estão sendo tomadas, mas talvez não sejam suficientes.
Há 40 anos participando de competições profissionais, o alvinegro cachoeirense acumula vitórias com títulos dentro e fora do campo. “A nossa batalha fora de campo é com os tribunais, que não perdoam e quase sempre quem perde é o clube, que acumula uma dívida de mais de R$ 1,5 milhões. Deste total, R$ 700 mil foram dívidas contraídas no período em que o clube foi terceirizado para um empresário, que nos deixou com essa herança maldita, além de outros R$ 600 mil na Receita Federal, INSS e Caixa Econômica Federal. Temos que esclarecer que estas dívidas foram adquiridas durante os 40 anos de profissionalismo, e muitas delas por má gestão e outras por falta de recursos que foram prometidos e não cumpridos”, explica o presidente.
A diretoria do clube contratou o advogado Jefferson Pereira Barbosa, que tem trabalhado para resolver as questões trabalhistas. “Já recorremos em 2ª Instância junto ao presidente do TRT/ES, e solicitamos a unificação dos processos em apenas uma Vara do Trabalho, e que seja feita uma audiência de conciliação, pois o clube possui mais de R$ 400 mil bloqueados judicialmente e depositado em conta do juizado”, afirma Adilson.
E ainda fora de campo, o Estrela do Norte tem mais um obstáculo. Para se enquadrar na Lei PROFUT do Governo Federal, de nº 13.155, de 4 de agosto de 2015, e participar de qualquer competição promovida pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e Federações afiliadas, o clube é obrigado a possuir Certidões Negativas na Receita Federal, INSS e Caixa Econômica Federal. “Não sou contra a Lei, pelo contrário, acredito que ela pode fazer bem ao futebol. Mas, igualar todos os clubes Brasileiros das várias divisões é uma covardia. O valor mínimo para pagamento do parcelamento é de R$ 3 mil. No caso do Estrela, seriam R$ 6 mil mensais, e se deixar de pagar em três meses a dívida volta e o parcelamento é cancelado, com isso, o clube pode ser punido com o rebaixamento de série”, continua.
O presidente contratou o contador Felipe Ribeiro Macedo, que está trabalhando para parcelar as dívidas e conseguir a liberação das certidões para viabilizar a participação do clube no Campeonato Capixaba de 2016. “O primeiro passo já foi dado. Fizemos o certificado digital e levantamos os débitos junto à Receita Federal, a Procuradoria Nacional da Fazenda e os débitos do FGTS. Agora vamos juntar os documentos, que incluem as demonstrações contábeis e financeiras, para protocolar na Receita e pedir para a consolidação dos débitos”, explica o contador.



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.