Em visita à África, papa lamenta violência perpetrada em nome de Deus

Papa

Nairóbi – O papa Francisco tratou nesta quinta-feira do problema do extremismo islâmico na África, lamentando a violência perpetrada em nome de Deus e advertindo para o risco de que jovens se tornem radicais em nome da religião. O pontífice não fez nenhuma referência explícita aos ataques do dia 13 em Paris cometidos pelos terroristas do Estado Islâmico, mas disse que o nome de Deus “nunca pode ser usado para justificar o ódio e a violência”.

O papa fez as declarações no início do primeiro dia completo de sua visita à África, durante uma reunião com líderes religiosos na embaixada do Vaticano em Nairóbi. “Quão importante é que sejamos vistos como profetas da paz, pacificadores que convidam os outros a viver em paz, harmonia e respeito mútuo.”

O Vaticano informou que os ataques em Paris reforçaram no papa o senso de urgência sobre a necessidade do diálogo inter-religioso. A máxima autoridade da Igreja Católica qualificou como “ataques bárbaros” os atentados ocorridos em Nairóbi em 2013 e 2015, que deixaram mais de 220 mortos. Francisco lamentou que jovens “estejam sendo radicalizados em nome da religião”.

O papa deve voltar ao tema da violência inspirada pela religião no domingo, quando visita a República Centro-Africana, país assolado por anos de lutas entre cristãos e muçulmanos. Na capital do país, Bangui, o pontífice planeja se encontrar com líderes cristãos e muçulmanos envolvidos nos esforços de reconciliação e visitar um campo de refugiados onde há cristãos e também uma mesquita no bairro muçulmano da cidade.

Na sexta-feira, o pontífice deve seguir para Uganda, como parte de seu giro de seis dias pelo continente. É a primeira visita do papa à África.

Mais tarde nesta quinta-feira, Francisco deve falar a funcionários da Organização das Nações Unidas em Nairóbi, onde deve enfatizar questões ambientais, um tema importante de seu papado. Na manhã desta quinta-feira, o pontífice também celebrou uma missa no campus da Universidade de Nairóbi, onde criticou a “cultura de egoísmo e indiferença” que torna os homens arrogantes, machuca mulheres e negligencia os mais velhos, além de ameaçar a vida de inocentes que não nasceram. Fonte: Dow Jones Newswires.



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.