Em visita à África, papa lamenta violência perpetrada em nome de Deus

Papa

Nairóbi – O papa Francisco tratou nesta quinta-feira do problema do extremismo islâmico na África, lamentando a violência perpetrada em nome de Deus e advertindo para o risco de que jovens se tornem radicais em nome da religião. O pontífice não fez nenhuma referência explícita aos ataques do dia 13 em Paris cometidos pelos terroristas do Estado Islâmico, mas disse que o nome de Deus “nunca pode ser usado para justificar o ódio e a violência”.

O papa fez as declarações no início do primeiro dia completo de sua visita à África, durante uma reunião com líderes religiosos na embaixada do Vaticano em Nairóbi. “Quão importante é que sejamos vistos como profetas da paz, pacificadores que convidam os outros a viver em paz, harmonia e respeito mútuo.”

O Vaticano informou que os ataques em Paris reforçaram no papa o senso de urgência sobre a necessidade do diálogo inter-religioso. A máxima autoridade da Igreja Católica qualificou como “ataques bárbaros” os atentados ocorridos em Nairóbi em 2013 e 2015, que deixaram mais de 220 mortos. Francisco lamentou que jovens “estejam sendo radicalizados em nome da religião”.

O papa deve voltar ao tema da violência inspirada pela religião no domingo, quando visita a República Centro-Africana, país assolado por anos de lutas entre cristãos e muçulmanos. Na capital do país, Bangui, o pontífice planeja se encontrar com líderes cristãos e muçulmanos envolvidos nos esforços de reconciliação e visitar um campo de refugiados onde há cristãos e também uma mesquita no bairro muçulmano da cidade.

Na sexta-feira, o pontífice deve seguir para Uganda, como parte de seu giro de seis dias pelo continente. É a primeira visita do papa à África.

Mais tarde nesta quinta-feira, Francisco deve falar a funcionários da Organização das Nações Unidas em Nairóbi, onde deve enfatizar questões ambientais, um tema importante de seu papado. Na manhã desta quinta-feira, o pontífice também celebrou uma missa no campus da Universidade de Nairóbi, onde criticou a “cultura de egoísmo e indiferença” que torna os homens arrogantes, machuca mulheres e negligencia os mais velhos, além de ameaçar a vida de inocentes que não nasceram. Fonte: Dow Jones Newswires.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.