Greve dos servidores do Judiciário é mantida por tempo indeterminado

Greve

Os servidores do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) vão manter a greve por tempo indeterminado. A decisão unânime foi tomada na assembleia da categoria, realizada na manhã desta quarta-feira (2). Durante o encontro, ficou claro o descontentamento com o resultado da votação dos projetos que tratam do ajuste fiscal do TJES com o corte de direitos dos trabalhadores. O movimento paredista já dura quase dois meses e segue longe de uma definição.
Os servidores criticaram ainda o posicionamento dos deputados estaduais que teriam sucumbido, na visão da categoria, à pressão exercida pelo Tribunal de Justiça para congelar promoções e postergar o pagamento dos direitos e benefícios para até 2018. Mesmo com a aprovação dos projetos, os servidores destacaram uma pequena vitória: a exposição pública da irresponsabilidade da gestão da Justiça estadual no trato com o dinheiro público.

De acordo com o Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário (Sindijudiciário), novas ações de protesto serão realizadas nos próximos dias na Grande Vitória e nas Comarcas do interior. O calendário de mobilizações para esta semana deve ser divulgado nos próximos dias. A categoria pede o cumprimento da revisão geral anual dos vencimentos – com efeitos retroativos ao mês de maio, data-base da categoria.

Apesar da direção do tribunal justificar a falta de orçamento para gastos com pessoal, o sindicato cobra isonomia de tratamento com os togados, que tiveram o reajuste de 14,98% em janeiro e que receberiam mais 16% de aumento no próximo ano (esse reajuste também foi alvo do corte de despesas). Além da questão salarial, os servidores também pedem retorno de gratificações, correção de auxílios (saúde e alimentação), bem como melhoria nas condições de trabalho nos fóruns.

Segundo a presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário, Adda Maria Monteira Lobato Machado, não existe qualquer mesa de negociação em aberto. Ela atribui isso à falta de interesse em negociar por parte da própria administração do TJES, que deve passar por mudanças em breve. O desembargador Sérgio Bizzotto deixa à Presidência do tribunal no próximo dia 17. Ele será substituído pelo desembargador Annibal de Rezende Lima, que chegou a conversar com os servidores na ocasião da discussão legislativa sobre o ajuste fiscal, mas que não apresentou qualquer proposta de fato à categoria.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.