ONU cobra que comunidades afetadas pelo crime da Samarco/Vale/BHP tenham acesso urgente à água segura

Onu

A Organização das Nações Unidas (ONU) voltou a emitir comunicado ao Brasil nesta terça-feira (8), com críticas à situação das comunidades atingidas pelo rompimento da barragem da Samarco – controlada pela Vale e anglo-australiana BHB Billiton – em Minas Gerais e no Espírito Santo. A entidade cobra do governo brasileiro que garanta o acesso à água segura e ao saneamento nos municípios que sofrem os impactos da contaminação do rio Doce pela lama de rejeitos.
Trinta e dois dias após o rompimento da barragem em Mariana (MG), o relator especial da ONU para o direito humano à água segura e ao saneamento, Léo Heller, aponta que milhares de pessoas dos dois estados ainda têm problemas de interrupções no abastecimento de água.

Além disso, reitera que algumas análises da água e dos sedimentos do rio Doce revelaram níveis de elementos tóxicos que superam os níveis aceitáveis.

“Convoco o governo a tomar medidas preventivas de acordo com o princípio da precaução”, pontuou. Segundo ele, é necessário fortalecer o monitoramento da água bruta e tratada, aperfeiçoar o tratamento de água, e divulgar informação clara à população, protegendo, assim, os direitos à água segura e ao saneamento.

Heller cita relatos de comunidades que precisam fazer filas durante horas para conseguir pequenas quantidades de água, que são insuficientes para manter práticas adequadas de saneamento e de higiene, e ainda os casos de pessoas idosas ou com deficiências, que não têm recebido acesso prioritário.

“Como medida de emergência, as autoridades públicas vêm distribuindo água em alguns pontos e as companhias minerárias têm levado água engarrafada às áreas afetadas. No entanto, várias pessoas continuam expressando sua insatisfação com a distribuição de água, julgada insuficiente e desorganizada”, pontuou o especialista.

O descontentamento geral é atribuído pelo especialista à má gestão dessa crise no abastecimento de água, “que já gerou algumas situações violentas e pode levar a ainda mais agitação”, advertiu.

Heller lembrou que o rio Doce é a fonte principal de água nessas regiões e que a atual turbidez elevada da água no manancial resulta em baixo desempenho do tratamento das suas águas.

“Compreensivelmente, as pessoas estão preocupadas com a qualidade da água distribuída pelos sistemas de abastecimento que já foram restabelecidos. Também estão frustradas por receberem informações inconsistentes e inadequadas sobre a segurança da água, por parte das diferentes autoridades”, disse o especialista.

Ele ressalta que é um elemento essencial dos direitos humanos receber acesso à informação relativa à segurança da água.

“Relembro ao governo brasileiro que a lei internacional dos direitos humanos estabelece que o Estado tem a obrigação de intervir em situações como esta, proporcionando acesso à água segura e suficiente, bem como a alternativas para o saneamento”, enfatizou.

Entre as cidades que enfrentam sérios problemas está o município capixaba de Colatina (noroeste do Estado). A situação provocou ação na Justiça dos ministérios públicos Estadual (MPES), Federal (MPF-ES) e do Trabalho (MPT-ES), com o objetivo de garantir a saúde da população. Os órgãos pedem a imediata suspensão da captação e distribuição da água do rio Doce, devido à suspeita de distribuição de água de má qualidade, imprópria para consumo. Como apontam laudos apresentados na ação, há registro de quantidades de arsênio, mercúrio, zinco, cádmio, manganês e chumbo superiores às estabelecidas pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

O comunicado desta terça-feira foi enviado de Genebra, na Suiça, e ocorre um dia após a chegada de um Grupo de Trabalho das Nações Unidas ao Brasil, da área de empresas e direitos humanos. Os especialistas permanecem no País até o próximo dia 16 e irão à cidade de Mariana, devastada pela lama. A agenda inclui ainda Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Altamira e Belém. Eles analisarão como o governo brasileiro e as empresas vêm implementando suas respectivas obrigações e responsabilidades na área de direitos humanos, em sintonia com os princípios estabelecidos pelas Nações Unidas.



Publicidade


Outras Notícias


Cachoeiro se prepara para receber mais uma edição da Stone Fair

Bienal Rubem Braga terá encontro nacional de literatura fantástica

Dia D de vacinação contra gripe em Cachoeiro é no sábado (12)

Inscrições no Enem já começaram

Inscrições para o Enem passam de 200 mil em uma hora e meia

São Pedro de Tarantásia, foi um homem pacificador

Diocese de Cachoeiro adota medidas para evitar contágio de gripes

Santa Casa lança campanha para incentivar mulheres a doar sangue

Estudantes são assaltadas na porta de faculdade em Cachoeiro

Homem é morto durante tentativa de assalto em Cachoeiro

Nasceu; e agora? Psicólogos explicam como lidar com a depressão pós-parto

Atenção, motoristas! IPVA de veículos com finais de placas de 6 a 0 começa a vencer

Prorrogado para 10 de maio prazo para renovar contratos do Fies

Campanha de vacinação em todo o país vai até 01 de junho

Conta de luz: Em maio bandeira tarifária mais cara

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.