Ministério do Meio Ambiente cria grupo para acompanhar crime ambiental da Samarco/Vale-BHP

Vale

Passados mais de dois meses do rompimento da barragem da Samarco/Vale-BHP em Minas Gerais, o Ministério do Meio Ambiente instituiu um grupo de trabalho para avaliar os danos ambientais, bem como acompanhar as ações de recuperação e revitalização dos ecossistemas atingidos. A Portaria nº 2, assinada pela ministra Izabella Teixeira, publicada nesta quinta-feira (7), indicou quatro representantes para coordenar a “posição ambiental na esfera federal”. Também podem ser convidados a participar representantes dos governos de Minas e do Espírito Santo, além dos integrantes do Comitê da Bacia do Rio Doce.

Compõem o grupo de trabalho: um representante e um suplente de cada órgão – Ministério do Meio Ambiente; Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama); Agência Nacional das Águas (ANA); e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). A coordenação do grupo – que passou a funcionar a partir da publicação do ato no Diário Oficial da União – será exercida pelo Ibama.

Segundo a portaria, o grupo de trabalho terá a missão de avaliar e consolidar os relatórios ambientais conclusivos quanto aos impactos ambientais diretos e indiretos decorrentes do rompimento da barragem do Fundão. Além disso, o grupo vai articular a ação dos órgãos federais e estaduais quanto ao fornecimento de informações relacionadas aos danos ambientais, bem como avaliar e aprovar as ações de recuperação ambiental apresentadas pela Samarco, empresa responsável pela maior tragédia ambiental da história do País, de acordo com a presidente da República, Dilma Rousseff.

O grupo também vai monitorar os procedimentos adotados para mitigar os danos ambientais nos rios Gualaxo do Norte, Carmo e Doce e ecossistemas estuarinos e costeiros atingidos e acompanhar a implementação das medidas de recuperação e revitalização ambiental, que não foram sequer iniciadas, tendo em vista que as autoridades federais tratam o caso como um desastre ainda em curso.

A barragem da Samarco/Vale-BHP na cidade de Mariana (MG) rompeu no dia 5 de novembro, provocando uma onda de rejeitos de mineração que devastou o distrito de Bento Rodrigues e causou destruição de mais de 660 quilômetros de rios, de acordo com o Ibama. A lama tóxica seguiu o curso do rio em território capixaba até atingir a foz do rio Doce, no distrito de Regência, em Linhares. A mancha da lama que se espalha pelo litoral do Espírito Santo, triplicou de tamanha de domingo (3) para terça-feira (5), atingindo uma área de 66 km². Não há prazo para que os rejeitos de minério deixem de ser despejados no litoral capixaba.



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.