Greve de peritos do INSS completa quatro meses e afeta 45 mil capixabas

-previdencia-social-inss

A greve dos peritos médicos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) já ultrapassa os quatro meses e prejudica o atendimento a milhões de trabalhadores que pleiteiam receber benefícios ou voltar a trabalhar em todo o país.

No Espírito Santo, estima-se que, desde o início da greve, no dia 4 de setembro de 2015, mais de 45 mil pessoas tenham sido afetadas.

De acordo com a Associação dos Peritos Médicos do INSS no Espírito Santo (ANMP-ES), antes da greve, o segurado deveria esperar cerca de 22 dias para receber um atendimento, com a greve, a espera não sai por menos de quatro meses.

“No Estado nós marcamos, em média, de 15,5 mil a 16 mil perícias médicas. Com a greve, muitas estão sendo remarcadas e a espera chega a 120 dias. Dos 77 peritos do Espírito Santo, 70% não estão trabalhando e os outros 30% realizam atendimentos de acordo como determina a lei de greve”, afirma o delegado da gerência em Vitória da ANMP-ES, Juliano Pina.

Ainda segundo Pina, mesmo se a greve acabar, a previsão para que o atendimento volte ao normal é de oito meses. Segundo a associação, das 32 agências no Espírito Santo, oito não têm peritos médicos, obrigando o segurado a realizar a consulta em outra localidade.

“O fato é que mesmo se tivéssemos com 100% dos peritos trabalhando, ainda estariam faltando profissionais. Nós precisaríamos de mais 20 peritos para que pudéssemos atender a toda a demanda cobrada pelo INSS. Se a greve terminasse hoje, ainda demoraríamos uns oito meses para que o atendimento seja normalizado”, completa.

A pauta de reivindicações da categoria é extensa. Dentre elas, estão diminuição da jornada de trabalho de 40 horas para 30 horas, reajuste salarial de 27%, aumento no número de peritos médicos, além de melhorias nas condições de trabalho. Veja a lista completa das reivindicações.

De acordo com o INSS, o Instituto conta com 4.351 servidores peritos médicos em todo o Brasil, cujo salário inicial para uma jornada de 40 horas é de R$ 11.383,54, chegando a R$ 16.222,88. O INSS estima que um 1,3 milhão de perícias não tenham sido realizadas desde o início da paralisação. Já 910 mil perícias médicas foram atendidas.

Em nota, o INSS informou que a não aceitação da proposta do governo pela categoria impossibilita a regularização do atendimento. O INSS disse, ainda, que reconhece as dificuldades impostas à população e pede que os servidores retomem ás atividades.

Os números da greve

1,3 milhão: é o número de perícias que não foram realizadas desde 4 de setembro de 2015, em todo o Brasil;

45 mil: são os capixabas afetados pela greve;

122 dias: é o tempo estimado que o segurado precisa esperar para conseguir atendimento no Espírito Santo;

R$ 11.383,54: é o salário inicial de um médico perito do INSS;

27%: é o reajuste salarial pedido pela categoria.

Fontes: Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e Associação dos Médicos Peritos do INSS no Espírito Santo (ANMP-ES)



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.