Denúncia: ex-comandante da PMES vendeu munição que abasteceu tráfico

Coma

O Ministério Público Estadual encaminhou à Justiça denúncia contra o ex-comandante-geral da Polícia Militar do Espírito Santo, coronel Ronalt Willian de Oliveira, pela acusação de praticar comércio ilegal de munições. Na mesma ação, foi denunciado também o ex-soldado da PM Frank Silva Grazziotti. A negociação feita entre o coronel Willian e o soldado Frank foi flagrada por meio de escuta telefônica, autorizada pela Justiça, feita pelo Núcleo de Repressão às Organizações Criminosas (Nuroc) da Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa Social (Sesp). A denúncia do Ministério Público começou a ser analisada pelo Juízo da 3ª Vara Criminal de Cariacica.

Segundo apurou o MPES, entre janeiro e fevereiro de 2008, quando Willian era tenente-coronel e comandava o 7º Batalhão da PM (Cariacica), ele e o soldado “comercializavam ilegalmente munições, sem autorização e em desacordo com determinação legal ou regulamentar.” O coronel foi promovido a comandante-geral em 2011.

Segundo o Inquérito Policial número 0050470-13.2013.8.08.0024, e a denúncia do MPES, o militar solicitou a um soldado, que era seu motorista, a indicação de “alguém interessado em adquirir munições calibres pontos 22 e 38”. O motorista indicou o PM Frank.

Escutas telefônicas feitas pelo Nuroc no dia 16 de janeiro de 2008 revelam o então soldado Frank sendo procurado por um traficante com o objetivo de comprar armas e munições clandestinas. A descoberta foi possível porque o Nuroc realizava a Operação Dom Pedro II, tendo como objetivo identificar e prender uma quadrilha de tráfico de drogas que agia na região da Ilha do Príncipe, em Vitória. Numa dessas escutas, Frank passou a ser alvo do Nuroc após manter contatos telefônicos com o traficante identificado como Luciano.

Foi em uma das escutas telefônicas que o coronel Ronald Willian acabou sendo flagrado supostamente negociando a venda de munições para o então soldado Frank. Segundo o Ministério Público Estadual, no dia 15 de fevereiro de 2008 “Ronalt (Willian) manteve contato telefônico com o denunciado soldado Frank e, após perguntar se o mesmo teria munições calibre 22 para vender, recebendo resposta positiva, comunicou que teria um comprador”.

Para o Ministério Público, “a estreita ligação entre os dois denunciados pode ser confirmada ainda no momento em que Frank informa que tem a quantia em dinheiro para entregar ao então tenente-coronel Willian”.

O Blog do Elimar Côrtes teve acesso a um trecho da conversa entre os dois, gravado as 10h40 do dia 15 de fevereiro de 2008: CEL WILLIAN lia para FRANK e pergunta quantas “caixas de ponto 22” que FRANK tem “lá”; FRANK responde que “tá em casa”. CEL WILLIAN insiste na pergunta da quantidade. FRANK então responde que tem “quatro”. CEL WILLIAN diz que é só para saber, pois tem um “camarada” que ele descobriu e vai ver se ele “pega”. FRANK fala para o CEL WILLIAN que já foi duas vezes levar o dinheiro, mas o CEL não apareceu “aí”. CEL WILLIAN diz que fica “aqui” direto. FRANK fala que só não foi levar o dinheiro na casa do CEL WILLIAN porque ele não sabe aonde que é.

Diante dos fatos, o Ministério Público Estadual solicita à Justiça que acolhe a denúncia e abre processo em desfavor do coronel Ronalt Willian e o ex-soldado Frank Silva Grazziotti nas iras dos artigos 17 e 20, da Lei 10.826/03 (Estatuto do Desarmamento).



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.