Santa Josefina Bakhita - A primeira santa africana

Santa-josefina-bakhita

Testemunhou com a própria vida a alegria de servir a Cristo em todos os momentos do seu dia

Santa irmã morena, como era conhecida, nasceu no Sudão, em 1869. Santa Josefina, como muitos naquele tempo, viveu a dureza da escravidão. Bakhita, que significa “afortunada”, não foi o nome dado a ela pelos pais, mas por uma das pessoas que, certa vez, a comprou.

Por intermédio de um cônsul italiano que a comprou, ela foi entregue a uma família amiga deste de Veneza. Ali, ela tornou-se amiga e também babá da filha mais nova deles que estava nascendo.

Em meio aos sofrimentos e a uma memória toda marcada pela dor e pelos medos, ela foi visitada pelo amor de Deus. Porque essa família de Veneza teve de voltar para a África, em vista de negócios, tanto a filha pequena quanto a babá foram entregues aos cuidados de irmãs religiosas de Santa Madalena de Canossa. Ali, Santa Bakhita conheceu o Evangelho; conhecendo a pessoa de Jesus, foi se apaixonando cada vez mais por Ele.

Com 21 anos, recebeu a graça do sacramento do batismo. Livremente, ela O acolheu e foi crescendo na vida de oração, experimentando o amor de Deus e se abrindo à ação do Espírito Santo.

Quando aqueles amigos voltaram para pegar Bakhita e a criança, foi o momento em que ela expressou o seu desejo de permanecer no local, porque queria ser religiosa. Passado o tempo de formação, recebeu a graça de ser acolhida como religiosa. Isso foi sinal de Deus para as irmãs e para o povo que rodeava aquela região.

Santa Josefina Bakhita, sempre com o sorriso nos lábios, foi uma mulher de trabalho. Exerceu várias atividades na congregação. Como porteira e bordadeira, ela serviu a Deus por intermédio dos irmãos. Carinhosamente, ela chamava a Deus como seu patrão, “o meu Patrão”, ela dizia.

Conhecida por muitos pela alegria e pela paz que comunicava, ela, com o passar dos anos, foi acometida por uma grave enfermidade. Sofreu por muito tempo, mas na sua devoção a Santíssima Virgem, na sua vida de oração, sacramental, de entrega total ao Senhor, ela pôde se deixar trabalhar por Deus, seu verdadeiro libertador. Ela partiu para a glória e foi canonizada pelo Papa João Paulo II no ano 2000.

Santa Bakhita, rogai por nós!



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.