Reginaldo Quinta é absolvido da acusação de fraude em convênio com associação

Foto

O ex-prefeito de Presidente Kennedy (litoral sul do Estado), Reginaldo Quinta (PMDB), foi absolvido da acusação de improbidade na assinatura de convênio para realização de shows no verão de 2010. A decisão é do juiz da comarca, Marcelo Jones de Souza Noto, que julgou improcedente a denúncia feita pelo Ministério Público Estadual (MPES) com base nas investigações da Operação Moeda de Troca. Para o togado, a promotoria não conseguiu reunir provas de irregularidades no acordo com a Associação Montanhas Capixabas Turismo e Eventos, no valor de R$ 485 mil.

“Verifico que é farto e de fácil acesso a comprovação de que todos os serviços delimitados no convênio foram satisfatoriamente realizados, o que, configura, no mínimo, a boa-fé administrativa. […] Como não bastasse, sequer se vislumbra, indício de enriquecimento sem causa eis que todo o valor recebido pela Associação contratada foi devidamente repassado para as empresas que de fato prestaram satisfatoriamente os serviços”, apontou o juiz, que citou um acordo semelhante firmado pelo governo do Estado durante o primeiro mandato de Paulo Hartung (PMDB).

Na sentença publicada nesta quinta-feira (10), o juiz aponta que o Ministério Público, titular da ação, não conseguiu demonstrar a ocorrência de prejuízo ao erário. Para Marcelo Noto, a denúncia inicial se baseia em suposições que não foram capazes de comprovar ainda a existência de direcionamento na licitação. “Diante de todo o arcabouço probatório, conscientemente, não se pode afirmar que o valor indicado na inicial não foi revertido para o desenvolvimento de ações para a realização dos eventos festivos”, completou.

Sobre a ocorrência da prática de improbidade, o magistrado asseverou a necessidade de comprovação da culpa para a condenação do agente público: “Em outras palavras, e assim concluo, não havendo prova de que a conduta dos agentes se deram com dolo, má-fé ou, no mínimo, culpa grave, e ainda, não havendo qualquer prova de que o valor do convênio não foi aplicado na forma devida, não se revela possível à condenação dos requeridos nas iras da lei de improbidade administrativa, que fica assim de plano afastada no caso concreto”.

Na ação de improbidade (0001332-31.2010.8.08.0041), o Ministério Público apontava que o então prefeito teria recebido R$ 50 mil de propina para fechar o convênio sem licitação, com base em uma anotação da caderneta do empresário Paulo César Santana Andrade, que também respondia ao processo, apreendida durante a operação policial – deflagrada em setembro de 2010. Por conta dos mesmos fatos, o ex-prefeito Reginaldo Quinta responde a uma ação penal por suspeita da prática dos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e fraude em licitação.

A decisão pela improcedência da ação de improbidade foi assinada no último dia 3 de fevereiro. O Ministério Público já apresentou o recurso de apelação. O caso deverá agora ser apreciado pelo Tribunal de Justiça do Estado (TJES).



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.