‘A Samarco e a Vale ludibriaram o Estado brasileiro’

Enivaldo

O deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD) reiterou nessa quarta-feira (16), em sessão na Assembleia Legislativa, sua defesa pela prisão dos diretores da Samarco/Vale-BHP, responsável por operar a barragem de Fundão rompida há quatro meses em Mariana (MG). “A Samarco e Vale ludibriaram o Estado brasileiro”, protestou em referência ao teor das escutas telefônicas divulgadas pela Folha de S. Paulo que revelaram a estratégia dos diretores da Samarco de combinar as informações passadas às autoridades que investigam o crime.
Para Enivaldo, a prisão é a única alternativa de a empresa assumir sua responsabilidade no crime, que gerou mortes, destruição e a contaminação do rio Doce. “Prisão preventiva é para que não se destruam provas e se intimidem testemunhas, e os diretores da Samarco destruíram as provas. Isso somente vai se resolver com cadeia para eles”, disparou o deputado.
Ele se reporta mais uma vez à matéria da Folha para alertar que a Samarco não tinha controle da pressão que a água fazia sobre a barragem e escondeu isso das autoridades federais. A postura da empresa motivou o pedido de escuta pela Polícia Federal, que flagrou a troca de informações entre diretores, funcionários e advogados.
“Não precisou muito tempo para que viessem à tona as provas de que eu estava certo quando pedi a prisão dos diretores dessa empresa assassina e irresponsável”, afirmou o deputado. Enivaldo. Ele lembrou, ainda, que na época que fez o primeiro pedido de prisão dos diretores, logo após o crime, recebeu muitas recomendações para que amenizasse o tom de seus discursos contra a empresa. “Ficaram falando: não, não precisa prender os diretores. Precisava sim”, reforçou.
O deputado ressalta que há muito tempo alerta para o comportamento antiético das empresas que poluem o meio ambiente e sonegam impostos no Espírito Santo, como a Vale, dona da Samarco.
Quatro meses após o rompimento, exemplifica, a população de Colatina ainda não tem confiança de usar a água distribuída pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), que capta do rio Doce, tomado pela lama de rejeitos da mineração. “Quanto tempo o rio vai demorar para recuperar sua vida, se é que algum dia vai se recuperar?”, questiona.
Para Enivaldo, não precisava nem de inquérito para apurar de quem é a responsabilidade pelo crime. “Parte das provas se perdeu, ou foram destruídas, mas ainda é tempo de recuperar a credibilidade. Por isso, mais uma vez, defendo: esses diretores da Samarco têm que ser presos por homicídio doloso, pois assumiram o risco de matar e destruir, quando operaram com licença ambiental vencida e negligenciaram os sistemas de controle que poderiam ter evitado a maior tragédia ambiental do planeta”.
Escutas telefônicas
A matéria da Folha de S. Paulo revela que funcionários da Samarco combinaram com a área jurídica da empresa quais informações poderiam ou não ser fornecidas a agentes da Polícia Federal que iam a campo apurar a responsabilidade da mineradora na ruptura da barragem em Mariana (MG). Locais que seriam vistoriados por policiais foram também previamente verificados.
O acerto entre os funcionários aparece em interceptações telefônicas de diretores da Samarco. Por desconfiar que estavam escondendo dados, a PF pediu à Justiça autorização para os grampos.
De acordo com a Folha, foram interceptados os telefonemas de Germano Silva Lopes, gerente geral de projetos, Daviely Silva, gerente de geotecnia, e Wanderson Silva, coordenador de monitoramento, entre outros.
A PF chegou a pedir a quebra do sigilo do diretor-presidente licenciado da Samarco, Ricardo Vescovi, mas a solicitação foi negada. Ao todo, com a contribuição dos indiciamentos, seis diretores da empresa, incluindo Vescovi, foram indiciados sob suspeita de crime ambiental.
No inquérito, a PF diz que os grampos apontam “fortes indícios” de que a Samarco “tem escondido dados e informações importantes”. Afirma ficar claro que empregados “recebem ordens dos superiores para agirem ou declararem dessa ou daquela forma”.
O relatório mostra ainda que diretores combinavam com a assessoria de imprensa da Samarco como passar, omitir ou informar incorretamente dados aos jornalistas.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.