Conselheiros tutelares de Atílio Vivacqua são condenados por venda de cestas básicas

Cesta

A juíza da Vara Única de Atílio Vivacqua (região sul do Estado), Graciene Pereira Pinto, julgou parcialmente procedente uma ação de improbidade contra ex-conselheiros titulares do município, acusados de irregularidades na comercialização de cestas básicas. Na decisão publicada nesta segunda-feira (16), a magistrada determinou o pagamento de multa cível, além da suspensão dos direitos políticos de dois réus pelo prazo de um ano. A sentença de 1º grau ainda cabe recurso.

Na denúncia inicial (0000858-42.2006.8.08.0060), o Ministério Público Estadual (MPES) narrou a ocorrência da prática indevida de venda de cestas básicas encaminhadas ao Conselho Tutelar pelo Juizado Especial Criminal para serem distribuídas a alguma família carente atendida pelo órgão entre os anos de 2005 e 2006. Durante a instrução do processo, as testemunhas do caso afirmaram que os conselheiros e funcionários do Conselho negociavam os donativos. A ação de improbidade também narra irregularidade no repasse de cestas para a filha de uma ex-integrante do Conselho Municipal de Criança e do Adolescente.

Na sentença assinada no último dia 29, a juíza acolheu uma parte da denúncia do MPES que também levantava a suposta troca de cestas básicas por carne para realização de churrasco na casa de um dos conselheiros e a apropriação de valores, porém, esses fatos não foram devidamente comprovados. Em relação aos demais trechos da ação, a magistrada entendeu pela caracterização do ato ímprobo, condenado os então conselheiros Marcelo de Almeida Barros, José Sérgio Milagre Lemos e Willian da Silva, bem como do motorista do Conselho, Wagner Monteiro De Souza, ao pagamento de multa no valor de R$ 75.

Além disso, o ex-conselheiro tutelar Carlos Alberto Pimentel Couto e a ex-membro do Conselho Municipal da Criança, Maria de Lourdes Busato Barros, terão os direitos políticos suspensos por um ano. Neste caso, a togada afirmou que os réus teriam violado os deveres de lealdade, moralidade e honestidade ao receber três cestas básicas entregues pelo órgão. Foi absolvido neste processo, o servidor público, Francisco José Sant’Anna, por falta de provas.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.