Papa diz a crianças que “imigrantes não são um perigo, mas estão em perigo”

Papa-1 (1)

O papa Francisco afirmou no último sábado (28) que “os imigrantes não são um perigo, mas estão em perigo”, durante um encontro que manteve no Vaticano com 500 crianças italianas e imigrantes, chegadas da região da Calábria.

“Os imigrantes não são um perido, estão em perigo”, disse o pontífice por várias ocasiões, numa mensagem de fraternidade e de tolerância para com outras culturas e religiões, que pediu às crianças que repetissem com ele.

“O comboio das crianças” é o nome de uma iniciativa, organizada pelo Conselho Pontifício da Cultura, que há quatro edições leva crianças ao Vaticano de comboio para conhecer e conversar com o papa.

Desta vez, o tema eleito foi “Trazidos pelas ondas” e os participantes foram menores que vivem na Calábria, no sul de Itália, uma das regiões do país que concentra um maior número de imigrantes.

“Boa parte [dos participantes] é constituída por refugiados que vieram sobre as ondas do mar com as suas esperanças e tragédias”, disse à agência espanhola Efe o presidente do Conselho Pontifício para a Cultura, o cardeal Gianfranco Ravasi.

Durante o evento, Ravasi leu uma carta que as crianças tinham escrito ao papa e na qual refletiam sobre os “adultos que deixam a sua terra por causa da guerra e das perseguições”, na qual disseram que não conseguem entender “tanta injustiça” no mundo.

O pontífice concordou com esta mensagem e se mostrou crítico em relação aos países que “não deixam vir e deportam as pessoas em busca de salvação, paz e trabalho”, uma afirmação que assume particular significado depois de na última semana, as embarcações europeias terem socorrido mais de 12 mil pessoas no Mediterrâneo.

“Os que chegam têm uma religião diferente, mas isso não é perigoso porque somos todos irmãos, Deus quer-nos a todos”, disse o papa.

O sumo pontífice recebeu as crianças com beijos, abraços e gestos de carinho, comentou os desenhos que um ou outro tinha levado e se ofereceu para responder a perguntas.

Um participante perguntou ao papa como se devia acolher os imigrantes, ao que Francisco respondeu que devia ser “com gestos de carinho e abertura”, sublinhando três palavras-chave: “ternura, compaixão e amizade”.

“Os italianos não são todos bons, como em todas as partes, e os que vêm não são todos maus”, disse ainda Jorge Bergoglio, que explicou o significado de aceitar os imigrantes com uma frase: “vou cuidar de ti”.

O papa riu, interagiu com as crianças e pediu por diversas vezes que repetissem as suas ideias principais ou ensaiassem gestos de acolhimento.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.