Juiz mantém suspensão de obras de revitalização da orla de Piúma

Piuma

O juiz da 1ª Vara de Piúma (litoral sul do Estado), Diego Ramirez Grigio Silva, manteve a suspensão das obras de revitalização da orla do município. Na última sexta-feira (3), o togado negou o pedido de reconsideração feito pelo Município sob alegação de que os fundamentos lançados na decisão anterior permanecem inalterados. A liminar impediu a prefeitura de efetuar pagamentos à empresa RR Costa Construções, vencedora da licitação – que é alvo de indícios de irregularidades.
Na liminar expedida no último dia 12 de maio, o juiz também apontou que a população local não foi ouvida sobre as intervenções no local. “Ademais, o estudo de impacto de vizinhança foi elaborado de forma unilateral e sem a participação da população envolvida, o que reforça a argumentação expendida na decisão original”, explicou Diego Silva no exame do pedido de reconsideração. As obras

Na ação civil pública (0000769-61.2016.8.08.0062), o Ministério Público Estadual (MPES) aponta indícios de irregularidades no edital da licitação, cujo valor chega a quase R$ 9 milhões. A promotoria narra que o certame foi marcado de vícios e irregularidades, como várias alterações no edital da Concorrência Pública nº 005/2015, o não cumprimento da Lei das Licitações, quanto ao prazo mínimo entre a publicação do edital e o recebimento das propostas.

“É notório que a obra de revitalização urbana da orla central possui caráter de suscetível impacto urbanístico, o qual exigiria estudos e relatórios de impacto ambiental e de vizinhança, a serem apresentados em audiências públicas, conforme prescreve o Plano Diretor Municipal. Sob a mesma ótica, torna-se nítido que a mencionada obra possui relevante impacto para a cidade na paisagem, o que, obrigatoriamente, e, sob pena de nulidade do ato, deveria ter sido submetida a uma consulta popular, a ser promovida pelo Poder Executivo, conforme determina o plano diretor Municipal”, diz um dos trechos da ação.

Sobre a necessidade de audiência pública sobre as obras, o magistrado entendeu que a administração não poderia ser valer do poder de decisão para avaliar quanto à aplicação ou não de determinados dispositivos. “Ademais, a participação popular é de extrema importância no processo democrático, pois legitima a tomada de decisões pelo poder público. Tal expediente é simples de ser executado e não traz ônus para a Administração”, completou o juiz na liminar concedida.

A obra de revitalização da orla de Piúma foi dividida em duas etapas, em virtude de questões financeiras e ambientais. Nesta primeira fase, serão executadas obras de drenagem, construção de calçadas em torno do comércio, uma ciclovia e novas pistas com estacionamentos ao longo de um trecho de três quilômetros. A ordem de serviço foi assinada no final do mês passado e previsão de duração das obras é de 12 meses. A segunda etapa deve incluir a construção do calçadão, novos quiosques e a ampliação da faixa de areia. A estimativa é de que todas as obras tenham um custo na ordem de R$ 26 milhões.



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.