Secretaria de Saúde transfere pacientes da Clínica Santa Isabel para residências terapêuticas

Fachada csi

O convênio entre o Estado e a Clínica Santa Isabel, em Cachoeiro de Itapemirim (sul do Estado) foi encerrado, depois de anos de cobrança de entidades de direitos humanos e de atuação na saúde mental. Os 21 pacientes remanescentes na clínica foram transferidos para três novas residências terapêuticas construídas em Cariacica.

A clínica era denunciada sistematicamente por prática de maus tratos, falta de higiene e tratamento degradante aos internos. As residências terapêuticas são moradias criadas para acolher pacientes que passaram dois anos ou mais internados e perderam o vínculo familiar.

Nessas residências, os pacientes podem sair tanto para participar de consultas médicas, quanto de atividades terapêuticas nos serviços de saúde locais, como os Centros de Atenção Psicossocial (Caps).

A Clínica Santa Isabel foi denunciada por diversas entidades de luta antimanicomial, da área de saúde, de psicologia, de direitos humanos e por parentes de pacientes por tratamento degradante a pacientes no local.

Em outubro de 2014, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) publicou no Diário Oficial do Estado uma portaria instituindo a Comissão Intersetorial de Desinstitucionalização de Pacientes da Clínica de Repouso Santa Isabel, com o objetivo e elaborar e operacionalizar um plano de trabalho para desospitalização e desinstitucionalização de pacientes internados na clínica. Na ocasião da publicação da portaria, estes pacientes já estavam no local há mais de um ano e permaneceram por quase dois anos depois da publicação.

Em outubro de 2015, um ano depois da publicação da portaria, um grupo de 25 entidades divulgou uma nota de repúdio à proposta de renovação do convênio entre o governo do Estado, através do Sistema Único de Saúde (SUS), e a clínica.

A clínica era alvo de frequentes denúncias de espancamento, falta de higiene e aplicação de injeção em represália a pacientes que reclamam das condições do local.

Inspeções

Um censo realizado no estabelecimento em março de 2013 constatou que, apesar de não receber mais pacientes, a clínica ainda não havia sido desativada. Em 2012, uma inspeção do Conselho Regional de Medicina (CRM) constatou que o estado de conservação do setor do SUS da clínica era ruim, que a higiene e a limpeza eram inadequadas, havia falta de higienização pessoal e bucal dos pacientes, além de número de profissionais insuficiente para atender a demanda.

O resultado do censo não foi amplamente divulgado pela Sesa, o que impossibilitou intervenções efetivas e as responsabilizações sobre as denúncias. O objetivo do censo era identificar e avaliar os serviços prestados – diante das inúmeras denúncias de diversas formas de violação de direitos humanos na instituição – além de iniciar o processo de desinstitucionalização dos pacientes internados.

O mesmo constatou o Conselho Regional de Enfermagem (Coren-ES), que destacou que o número de enfermeiros e de técnicos em enfermagem era inferior ao que preconiza a portaria nº 251/02 do Ministério da Saúde.

Além disso, o Coren atestou falta de materiais para atendimento de emergências, instalações sanitárias inadequadas e estrutura física em desacordo com a Resolução RDC nº 50/2002, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O documento ressalta que as práticas deste governo divergem com as deliberações da IV Conferência Nacional de Saúde Mental Intersetorial e com a Portaria 2.840/2014 do Ministério da Saúde, que estabelece que o processo de desinstitucionalização deverá prosseguir nos estados a fim de concretizar a Reforma Psiquiátrica e criar um programa de desinstitucionalização integrante do componente Estratégias de Desinstitucionalização da Rede de Atenção Psicossocial (Raps), no âmbito do SUS. Por isso, a renovação do convênio com a Clínica Santa Isabel implicava na sustentação e reprodução do modelo manicomial, que também predomina nos serviços prestados no Estado.

As entidades solicitaram o descredenciamento imediato da Clínica Santa Isabel com o SUS e que o recurso fosse realocado nos serviços substitutivos, assim como a intervenção dos órgãos de controle social da Política de Saúde e da Sesa na instituição para a fiscalização e monitoramento do estabelecimento.



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.