Falta de efetivo provoca o fechamento do plantão da delegacia de Alegre

Alegre

O plantão da delegacia de Alegre, no sul do Estado, vai ser fechado a partir da quarta-feira (17) depois de menos de um ano de inauguração. A unidade policial é nova e foi inaugurada em outubro de 2015, com o plantão para atender 10 municípios da região, alcançando cerca de 140 mil habitantes. No entanto, o baixo efetivo policial levou ao fechamento do plantão.

Em ofício enviado ao secretário de Estado de Segurança Publica, André Garcia, a delegada-chefe de Polícia Civil, Gracimeri Gaviorno comunica o fechamento do plantão alegando que um número elevado de servidores pediu exoneração nos últimos anos e que um contingente expressivo de policiais se aposentou nos últimos anos, gerando a necessidade de otimizar o efetivo para atender ao grande número de plantões em delegacias.

Em razão da dificuldade em manter diversos plantões, inclusive em delegacias da Grande Vitória, em face da ausência de titulares e de outros servidores, a delegada-chefe informa o fechamento do plantão de Alegre, comunicando que as ocorrências da circunscrição devem ser encaminhadas pata o plantão da 7ª Delegacia Regional, de Cachoeiro de Itapemirim, no sul do Estado.

À imprensa, no entanto, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) informou que o plantão foi fechado por conta da baixa demanda e que a delegacia só atenderia de segunda-feira a sexta-feira, em horário de expediente.

Para o Sindicato dos Policiais Civis do Estado (Sindipol-ES), fechar o plantão da delegacia de Alegre é a saída mais fácil para contornar a grave crise institucional pela qual passa a Polícia Civil. O fechamento do plantão da unidade sobrecarrega o da delegacia e Cachoeiro, que passará a ser responsável por atender mais dez municípios.

O quadro da Polícia Civil do Estado tem defasagem que chega a 1.428 policiais, o que representa índice de 38%. O baixo número de policiais prejudica o atendimento à população e, ainda assim, não há previsão de realização de concurso público.

O quadro de deficiência é tão grande que os policiais têm de priorizar o atendimento de certas ocorrências, geralmente de crimes de grande repercussão, para serem investigados. Os crimes comuns, que atingem as camadas mais periféricas da população, ficam sem investigação.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.