Protesto de médicos contra falta de dinheiro e de material na Santa Casa de Cachoeiro

Manifestacao-medicos

Os médicos e enfermeiros da Santa Casa de Cachoeiro fizeram um manifesto na manhã deste segunda-feira (17) pela falta de material e condições de trabalho no hospital. Apesar da manifestação, o atendimento ao público segue normalmente.

De acordo com o médico cirurgião Elias Garcia, o manifesto tem como objetivo chamar a atenção para o grave problema da Santa Casa.

“A Santa Casa foi provocada a fazer o dever de casa, a regular as suas contas. A direção contratou uma consultoria, resolveu os problemas que poderia resolver e chegamos ao limite que, a partir daqui, só fechando as portas. Estão faltando materiais básicos para atender as pessoas, como: materiais de CTI, Centro Cirúrgico e do Pronto Socorro. Houve uma redução de repasse do Estado de 20% em relação ao ano passado, e essa redução está sendo acenada que vai aumentar um pouco mais, e não temos condições de arcar com isso”, explica.

Garcia contou que a Santa Casa tem uma dívida acima de R$ 35 milhões. “Não é por má gestão e nem incompetência administrativa, mas justamente, pela omissão do Estado. O atendimento do SUS é uma obrigação do estado e um direito do cidadão, e é impossível mantermos as portas abertas para atender a população. O Estado não está tendo sensibilidade em relação a isso. Do jeito que está, não podemos nem operar mais. Estamos chamando a atenção para a grave situação da Santa Casa”, continua.

Os médicos ressaltam que não há previsão de interromper o atendimento. “Não é o nosso objetivo fechar as portas. Vamos manter firme com as portas abertas. O grande problema é que daqui a pouco, se não tiver uma atitude concreta para essa situação, os pacientes passarão da porta para dentro vão ver os médicos e enfermeiros para atendê-los, mas sem logística, sem material”, comenta o diretor clínico da Santa Casa, Eurípides Mello.

No manifesto, os médicos ressaltaram que falta: antibióticos, luvas, tubos para intubação em cirurgia e anestesia geral, série de implementos, medicações básicas, e na nutrição estamos com desabastecimento. “Não estamos conseguindo que os fornecedores forneçam esses materiais, pois existem várias contas atrasadas. Os repasses que o governo está fazendo não nos permite arcar as contas atrasadas e muito menos comprar algo. Não temos material para atender pessoas baleadas ou acidentadas”, completa o médico Alcides Barata Filho.

Impasse

Enquanto os médicos realizavam o manifesto, uma funcionária pública de Cachoeiro teve que voltar para casa ao tentar doar sangue, por falta de material. “Perdi o dia de trabalho e vim doar sangue. Quando cheguei aqui me informaram que não tem bolsa e que havia acabado há duas horas. É lamentável termos vontade de ajudar, doando sangue, e não podermos por falta de material”, contou Karla Lage Duarte.

Por meio de nota, a direção da Santa Casa Cachoeiro informa que a manifestação realizada na manhã desta segunda-feira (17) foi feita pelos médicos da instituição, e reconhece que o movimento é legítimo, já que é feito para melhorar o atendimento da população de Cachoeiro e dos demais municípios do sul do Estado.

A direção esclarece, no entanto, que o problema citado pelos médicos se deve à insuficiência e a falta de regularidade no repasse do serviço contratado pelo Governo do Estado, problema que já se arrasta desde 2014, e informa ainda que desde 2014 tenta uma solução para o impasse junto ao Governo do Estado, mas não obteve um retorno financeiro para solucionar o problema.

Apesar da manifestação, os serviços de urgência e emergências do hospital continuam funcionando normalmente.

Já a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), informa que os repasses estão em dia e que os convênios foram feitos com base na série histórica de produção de cada Hospital, e reforça que em nenhum momento houve orientação para reduzir os serviços ofertados à população. “O Espírito Santo é o terceiro estado que mais investe em Saúde com recursos próprios. Grande parte dos recursos são utilizados para complementar a tabela SUS, que é insuficiente. O Estado possui contrato com hospitais filantrópicos, que também recebem recursos federais”, diz a nota.

A Sesa ressalta que não houve corte no orçamento da Saúde. “O orçamento da pasta cresceu em R$ 450 milhões porque a preocupação do Estado é manter os serviços essenciais da Saúde. Estamos num processo de reorganização das contas e é preciso austeridade. É necessário observar o comportamento da economia para aumentar o investimento e poder honrá-lo. A contratualização, como é chamado este convênio, é um instrumento formal de regulação da atenção hospitalar. A Sesa repassa, todo mês, um valor fixo e outro valor que é variável, de acordo com o cumprimento de metas físicas e de qualidade”.

Mais imagems

Santa-casa-nova-2


Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.