Supermercados podem voltar a abrir todos os dias, inclusive aos domingos

Supermercado_aberto___bruno_barros__6___-136296

Com o término da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) 2015/2016, entre os comerciários e comércio, nesta segunda-feira (31) as empresas do gênero alimentício como hipermercados, supermercados, autos-serviços, mercearias e hortifrutigranjeiros podem voltar a abrir nos domingos. Isso porque um novo acordo ainda não foi definido entre Sindicato dos Empregados no Comércio do Estado do Espírito Santo (Sindicomerciários/ES) e Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado (Fecomércio-ES).
De acordo com o presidente da Fecomércio, José Lino Sepulcri a partir desta terça-feira (01) não há nenhum acordo de trabalho entre a classe trabalhadora e os empresários. “A CLT é algo superior a convenção nacional, nela, por exemplo, não podemos trabalhar no feriado, mas com o acordo (CCT), nós podíamos, porém, pagando esse dia de trabalho. Com a convenção os supermercados ficariam fechados no domingo, agora com o término a partir de hoje (01), aqueles que quiserem podem abrir no domingo”, ressaltou Sepulcri.
A Convenção o ano passado possuí 42 cláusulas e 72 parágrafos, que segundo Sepulcri, devem ser analisadas minuciosamente. Nela além de questões como o funcionamento, o salário dos comerciários também é pontuada, e atualmente com o acordo feito em 2015, o valor é de R$968,00. “O que a classe pediu no começo foi um aumento de 15%, nós oferecemos 5%. Nesse mês de negociação de 15% a classe diminuiu e está pedindo 8%, e o comércio ofereceu 6%. Só que o empresário não tem condições de pagar o que eles querem”, reconheceu o presidente da Fecomércio.
O Sindicomerciários por meio de uma nota publicada em seu site informou que no dia 26 de agosto protocolou junto a Fecomércio e sindicatos filiados a Pauta de Reivindicações da categoria com as cláusulas econômicas e sociais. Estas defendem a reposição da inflação com ganho real e a garantia dos benefícios conquistados, como planos de saúde e odontológico, além de seguro de vida e auxílio-creche e licença-maternidade, entre outros.
Nesse período, acrescentou o sindicado, cinco rodadas de negociações foram realizadas, além de uma mediação junto à Delegacia Regional do Trabalho (DRT) onde foram apresentadas três propostas diferentes (não disseram quais) e lamentaram também o fato do patronal recusar o acordo.
“Como consequência de tamanha intransigência, a Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2017 não foi fechada, até o presente momento. Levando o Sindicomerciários a recorrer ao que determina a legislação vigente, através das leis 11.603/2007 e 10.101/2000, que só permitem a abertura do comércio em dias de feriados, exclusivamente com a concordância do Sindicato da categoria, através de acordo coletivo de trabalho ou convenção coletiva de trabalho”.
Com os 6% proposto pela Fecomércio o piso salarial chegaria a R$ 1026,00, e de acordo com o que os comerciários querem á R$ 1045,00. Por esse motivo não teve acordo entre as partes. Além dos 8% de reajuste salarial o Sindicomerciários também quer os 8% sobre as cláusulas econômicas, como plano de saúde e seguro de vida, afirma Sepulcri.
Ainda de acordo com José Lino Sepulcri, uma decisão do Ministério Público suspendeu no mês de outubro um “privilégio” que determinava que após o término da Convenção, nos meses subsequentes, o trabalhador teria os mesmos direitos neles dispostos.
Sobre a reunião marcada com o Sindicomerciários para esta segunda-feira (31) com mediação do Ministério do Trabalho o presidente afirmou que essa foi uma iniciativa para chegar a uma decisão final, o que não aconteceu.
“Agora estamos no impasse e se por acaso não chegar a um denominador comum vamos para o dissídio. E justiça vai avaliar os casos e definir o percentual. A comissão de negociação, sempre estará aberta para o diálogo. Eles têm direito a muito mais, só que a situação econômica é muito grave, com a perda de empregos e os empresários fechando seus negócios. Prevalecendo esse entendimento teremos que ir para o dissídio”, concluiu Sepulcri.
É o que também relatou a diretoria do Sindicomerciários na nota. “Mantendo a radicalização por parte dos lojistas, em prejuízo de todos os comerciários e comerciárias do estado, ao Sindicomerciários não restará outra alternativa se não a de ajuizar na Justiça abertura de processo de dissídio coletivo e convocar a categoria para manifestações em defesa de seus direitos e interesses”.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.