Para Fiocruz, crime da Samarco-Vale-BHP pode ser causa do surto de febre amarela

Samarco

Toda a contaminação de habitats provocada pelo crime da Samarco-Vale-BHP é um elemento importante de investigação da Fiocruz e outras instituições de pesquisa e tecnologia em Saúde do país, para entender e conduzir da melhor forma possível o fenômeno do surto de febre amarela no Espírito Santo e Minas Gerais.
A afirmação é do epidemiologista Guilherme Franco Netto, especialista em Saúde, Ambiente e Sustentabilidade da Fiocruz, que, mesmo ressaltando a ausência de provas, ainda, entre os dois fatos, admite: “Não há dúvida de que a fauna, especialmente os macacos, estão migrando de territórios pra poder sobreviver”, destaca.

Guilherme explica que, quanto mais agredido o meio ambiente, em termos de perda da densidade de florestas, maior a necessidade de deslocamento por alimentos e maior o risco de expansão da doença.

De forma simplificado, o que acontece é que, ao precisar de deslocar em busca de alimento e outras necessidades decorrentes de uma grande alteração ambiental em seu habitat, os macacos oriundos de regiões endêmicas levam o vírus da febre amarela para regiões ainda não afetadas, provocando os adoecimentos e mortes, seja de macacos ou de pessoas.

O epidemiologista explica que a febre amarela acomete apenas macacos e seres humanos e que, de tempos em tempos – ciclos de sete ou dez anos – há pequenos surtos, decorrente de um “aumento da carga viral” e que, após uma mortandade – seja de macacos e/ou humanos – e a consequente redução da carga viral, segue-se um período de “silêncio” da doença. “Se o ser humano entra no circuito, ele acelera esse processo e se torna vítima”, explica Guilherme.

Mas o especialista em Saúde, Ambiente e Sustentabilidade da Fiocruz admite que o atual surto tem despertado atenção especial. “Preocupa nesse momento é que o número de casos está acima do que vinha sendo observado”, alerta. Em situações assim, o que precisa ser feito é bloquear a circulação do vírus, sendo a vacinação o principal instrumento.

Onde e como se vacinar

A Secretaria Estadual de Saúde confirma a suspeita de dois casos de contaminação humana, nos municípios de Conceição do Castelo e São Roque do Canaã, e a morte de 54 macacos, sendo 17 em Pancas, 11 em Colatina, 10 em Ibatiba, 08 em Irupi, 04 em Baixo Guandu e 04 em Governador Lindenberg. As prefeituras têm levantado números maiores, ainda não contabilizados pela Sesa.

A vacinação está ocorrendo mais intensamente nos 23 municípios capixabas que fazem divisa com Minas Gerais – de onde se acredita que estejam vindo os macacos contaminados e já há casos confirmados de morte de pessoas – e em outros municípios onde há casos suspeitos.

Mas há doses da vacina disponíveis em todo o estado, que estão sendo aplicadas a partir de critérios definidos pelo Ministério da Saúde. Quem está fora da área de risco só precisa se imunizar caso for viajar para essas regiões, devendo receber a vacina dez dias antes da viagem.



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.