Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

703

Após doze horas de negociação – sem sucesso – com familiares de militares que estão paralisados há sete dias, o governo do Estado anunciou a instauração de procedimentos contra 703 policiais envolvidos no movimento de “revolta armada” da Polícia Militar. Em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (10), o secretário de Segurança Pública, André Garcia, anunciou o corte do ponto dos militares aquartelados e a identificação das pessoas que estão impedindo a saída de viatura dos batalhões.

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Nylton Rodrigues, afirmou que foram indiciados 703 policias pelo crime de revolta, previsto no Código Penal Militar, cuja pena pode chegar a 20 anos de reclusão, bem como a expulsão dos quadros da Corporação. Ele atribuiu o movimento paredista aos militares mais novos, que ingressaram há pouco tempo na Polícia. O coronel Nylton cobrou mais uma vez o restabelecimento da “hierarquia e disciplina” à tropa.

Os procedimentos serão conduzidos pela Corregedoria da PM, que tem até 60 dias para conclusão. Em seguida, os casos vão para a Promotoria de Justiça Militar, e na sequência, a Vara de Auditoria Militar – órgão da Justiça estadual – será responsável pelo julgamento das ações.

O oficial também pediu aos militares mais antigos que façam o convencimento dos mais jovens: “Os mais novos talvez consigam ser inseridos no mercado de trabalho [após a demissão], afetando a vida pessoal deles e de seus familiares, mas os antigos podem ter mais dificuldade. [Tem que] Colocar juízo na cabeça do soldado novo”, afirmou. O coronel Nylton afirmou que os policiais que voltarem ao serviço poderão ter as penas abrandadas, no caso daqueles que já foram indiciados. Existe a possibilidade do anúncio de novas punições.

As declarações da cúpula da segurança pública do Estado fecham ainda a possibilidade de um acordo, rechaçando as principais reivindicações das esposas de militares, como a concessão de reajuste salarial ou de anistia aos responsáveis pelo movimento. O governo só admite negociar se houver o restabelecimento do policiamento nas ruas, que está sendo feito hoje por tropas federais – cujo efetivo deve ultrapassar três mil homens até o fim de semana.

Até o momento, foram divulgadas a ocorrência de 121 mortes, além de outras centenas de registros de violência (roubos, furtos, saques e arrombamentos ao comércio) em todo Estado. A Secretaria de Segurança Pública (Sesp) não confirma, mas também não contesta os dados, divulgados pelo Sindicato da Polícia Civil (Sindipol).

‘Revolta armada’

O secretário André Garcia endureceu o tom contra o movimento dos policiais – que estão desde o início do sábado (4) sem sair de dentro dos quartéis, inicialmente sob justificativa de que estariam sendo impedidos por seus familiares. “Quem acha que vai fazer essas coisas e sair impune está redondamente enganado”, disse. Ele também afirmou que será investigada a participação de militares simpatizantes do motim nos casos de violência. “Se for confirmado, eles passariam a ser bandidos”, cravou.

Segundo ele, o Estado poderá abrir novos concursos para suprir a demanda causada pela eventual demissão dos militares envolvidos na “revolta armada” – termo adotado pelo próprio governo para classificar o movimento. Garcia também comentou que está sendo investigado os ataques sofridos pela imprensa, além de ameaças aos motoristas de ônibus coletivos. Ele não descartou o envolvimento de policiais nestes incidentes, que estariam contribuindo para aumentar a sensação de insegurança.

Sobre a pauta da categoria, Garcia reafirmou que não é possível conceder qualquer tipo de reajuste salarial neste momento. Ele citou a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que impediria o aumento nos salários, já que o governo já atingiu o limite prudencial. Essa era a mesma posição da comissão de negociação do governo, que se reuniu nessa quinta-feira (9) por doze horas com familiares dos PMs.

Além das sanções aos militares, os familiares e amigos dos policiais também poderão ser punidos. Garcia afirmou que o governo do Estado vai repassar ao Ministério Público Federal (MPF) o nome das pessoas já identificadas que estão participando do bloqueio na porta dos quartéis. O MPF no Espírito Santo abriu um procedimento para apurar a responsabilização financeira sobre os gastos que a União está tendo ao enviar tropas para o Estado. As pessoas identificadas deverão ser intimadas pelo Ministério Público para depor e podem ser denunciadas à Justiça.

O órgão ministerial entende que, identificadas as lideranças e/ou entidades que deram causa a esse gasto, é devida a ecomposição aos cofres públicos, já que a despesa teria sido motivada por um ato ilegal. Na última segunda-feira (6), o movimento paredista da Polícia Militar foi declarado ilegal pela Justiça Estadual, por decisão do Tribunal de Justiça.



Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.