Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

03092012_hartung_louzada

O Fórum das Entidades dos Servidores Públicos do Estado (Fespes) vai denunciar o Estado Brasileiro a cortes internacionais de direitos humanos diante da completa incapacidade do governo do Espírito Santo em lidar com o caos instaurado pela manifestação dos familiares de policiais militares, que bloqueiam as saídas dos batalhões desde o último sábado (4).

As entidades denunciam sistematicamente o modelo de gestão financeira do governador Paulo Hartung (PMDB), que privilegia a concessão de incentivos fiscais ao empresariado, sem observar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), sem contraprestação ao beneficiado, enquanto nega aos servidores civis e militares direitos constitucionais, como a revisão anual dos vencimentos, e na lei que rege o funcionalismo público estadual, caso do auxílio-alimentação até hoje negado, assim como a demora em pagar as parcelas judicialmente reconhecidas e postergadas sobre a forma de precatórios. Da mesma forma, o dito reajuste fiscal que somente atinge o Poder Executivo.

As entidades também denunciam o sucateamento e desmonte dos serviços público, que afetam diretamente os servidores e a população.

O Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos-ES) lembra que o superávit foi alcançado por conta de uma política fiscal que ignora a cobrança de grandes sonegadores, prezando pela redução de impostos para um seleto grupo de empresários, o que gera déficit fiscal de aproximadamente R$ 2 bilhões ao ano.

Além da falta de revisão anual, nos primeiros anos do chamado “ajuste fiscal” houve apenas cortes lineares em todas as áreas – incluindo áreas essenciais. Somente a inflação acumulada no período em que os servidores ficaram sem revisão ficou em 22,4%.

Já o Sindicato do Pessoal do Grupo de Tributação, Arrecadação e Fiscalização – TAF do Espírito Santo (Sindifiscal-ES) também já alertou que o propalado “ajuste fiscal” que o Estado diz executar se limita a um corte drástico dos investimentos públicos, o que fez com que diversas obras fossem paralisadas, totalizando 109, além de uma política de arrocho salarial, que impõe aos servidores perdas que ultrapassam os 22%, considerando a evolução do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Além dessas medidas, o Sindifiscal não apontou nenhuma medida significativa que o governo tenha tomado.

Em vez de promover esses cortes lineares, a entidade aponta que o Estado deveria qualificar a despesa, recompondo a receita pública, seja por meio do combate à sonegação de tributo ou pela revisão da política de incentivos fiscais.

A recomposição da receita se faz primordial diante deste cenário. As fraudes tributárias são estimadas em R$ 5 bilhões ao ano, conforme constatação do Fisco estadual em operações antifraude. Já a renúncia fiscal alcança R$ 1,06 bilhão anualmente.



Publicidade


Outras Notícias


Espírito Santo enfrenta desafio de vencer transmissão vertical do HIV, da hepatite B e da sífilis

Leptospirose é doença grave e transmitida por água contaminada de enchentes

Publicado decreto que autoriza uso do FGTS para compra de próteses

Saiba mais sobre as vacinas contra a gripe disponíveis no Brasil

Santo Apolônio, seu amor a Deus foi concreto

Inscrições para Cachoeirense Ausente de 2018 abrem nesta sexta (23)

Desfile e mostra cultural festejam emancipação de Cachoeiro

“A defesa da água é a defesa da vida”, afirma Papa

São Zacarias, Papa

Mais de cinco mil assinaturas reivindicam asfalto em comunidades de Alegre

São Nicolau de Flue, eremita

Prefeitura de Cachoeiro tenta disciplinar trânsito em cruzamento

Pai é preso suspeito de estuprar a filha de 11 anos em Marataízes

PM encontra pé de maconha dentro de casa em Cachoeiro

Torta Capixaba Orgulho da Nossa Gastronomia

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.