Exposição Sérgio Sampaio 70 terá mais dias e música ao vivo

Sampaio

A Secretaria de Cultura de Cachoeiro de Itapemirim (Semcult) tem duas novidades para os admiradores de Sérgio Sampaio (1947-1994) e, também, para as pessoas que têm interesse em conhecer mais sobre o cantor e compositor cachoeirense.

O encerramento da exposição “Sérgio Sampaio 70, eu sou aquele que disse”, que seria nesta terça-feira (16), foi adiado para 25 de maio.

A outra boa notícia é que, no local da mostra, na Sala Levino Fanzeres, no Palácio Bernardino Monteiro (sede da prefeitura), será promovida uma série de tardes musicais com o cantor e compositor Hélio Sampaio, irmão de Sérgio.

Conhecido popularmente como Helinho, ele se apresentará nesta quinta (18) e sexta-feira (19) e, na próxima semana, nos dias 24 e 25, sempre das 12h às 18h, período em que o espaço fica aberto ao público. A entrada é franca.

“A ideia é proporcionar um encontro dos visitantes com as músicas de Sérgio, com a presença e o talento de seu irmão Hélio”, explica a coordenadora de Artes Visuais da Semcult, Isabel Bremide.

Sobre a mostra

Ambientada em um salão de bar, a exposição “Sérgio Sampaio 70, eu sou aquele que disse” conta com diversos elementos ligados à vida e à obra do cantor e compositor cachoeirense, como fotografias, recortes de jornais, letras de música e, ainda, um violão.

A mostra foi lançada no mês passado, durante a semana do aniversário do artista (13 de abril), que faria 70 anos. Também dentro da programação, houve o lançamento da terceira edição de “Eu quero é botar meu bloco na rua!”, de Rodrigo Moreira, e o espetáculo “Sérgio Sampaio 70”, no Teatro Rubem Braga, com a participação de vários artistas da cidade.

Biografia de Sérgio

Filho do maestro Raul Gonçalves Sampaio e da professora Maria de Lourdes Moraes, Sérgio Sampaio, antes de gravar suas composições, de melodias marcantes e letras autobiográficas, foi radialista em Cachoeiro e, depois, no Rio de Janeiro.

Lançou quatro discos, sendo o último, “Cruel”, um álbum póstumo. Entre seus maiores sucessos estão “Eu quero é botar meu bloco na rua”, “Meu pobre blues” e “Tem que acontecer”.

Sérgio faleceu aos 47 anos, em 1994, e desde então vem tendo sua obra e biografia revisitadas de modo mais forte, nas últimas duas décadas, principalmente após o lançamento da coletânea póstuma “Balaio do Sampaio”.



Outras Notícias


Santa Cecília, exemplo de mulher cristã

Homem é baleado após confusão por suposto assédio em Cachoeiro

Mutirão para negociar dívidas segue até sexta (24) em Cachoeiro

Prefeitura prepara decoração natalina especial na Praça Jerônimo Monteiro

Tratamento para câncer de próstata ganha genérico inédito

Prazo para renovação de contratos do Fies é prorrogado para 30 de novembro

Defeso do camarão proíbe pesca, transporte e comercialização até o próximo dia 15 de janeiro

Justiça determina que Estado e Cachoeiro de Itapemirim forneçam fraldas geriátricas a deficientes e doentes

'Orgânico não tem que ser caro'

Existe um mal difuso em ver o policial como um inimigo

Existe um mal difuso em ver o policial como um inimigo

Apresentação de Nossa Senhora no Templo

Cerca de 5 milhões de candidatos ao Enem já consultaram seus locais de prova

São Martinho de Lima, cheio do Espírito Santo

Festival de Food Truck agita feriado prolongado em Marataízes

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.