Exposição Sérgio Sampaio 70 terá mais dias e música ao vivo

Sampaio

A Secretaria de Cultura de Cachoeiro de Itapemirim (Semcult) tem duas novidades para os admiradores de Sérgio Sampaio (1947-1994) e, também, para as pessoas que têm interesse em conhecer mais sobre o cantor e compositor cachoeirense.

O encerramento da exposição “Sérgio Sampaio 70, eu sou aquele que disse”, que seria nesta terça-feira (16), foi adiado para 25 de maio.

A outra boa notícia é que, no local da mostra, na Sala Levino Fanzeres, no Palácio Bernardino Monteiro (sede da prefeitura), será promovida uma série de tardes musicais com o cantor e compositor Hélio Sampaio, irmão de Sérgio.

Conhecido popularmente como Helinho, ele se apresentará nesta quinta (18) e sexta-feira (19) e, na próxima semana, nos dias 24 e 25, sempre das 12h às 18h, período em que o espaço fica aberto ao público. A entrada é franca.

“A ideia é proporcionar um encontro dos visitantes com as músicas de Sérgio, com a presença e o talento de seu irmão Hélio”, explica a coordenadora de Artes Visuais da Semcult, Isabel Bremide.

Sobre a mostra

Ambientada em um salão de bar, a exposição “Sérgio Sampaio 70, eu sou aquele que disse” conta com diversos elementos ligados à vida e à obra do cantor e compositor cachoeirense, como fotografias, recortes de jornais, letras de música e, ainda, um violão.

A mostra foi lançada no mês passado, durante a semana do aniversário do artista (13 de abril), que faria 70 anos. Também dentro da programação, houve o lançamento da terceira edição de “Eu quero é botar meu bloco na rua!”, de Rodrigo Moreira, e o espetáculo “Sérgio Sampaio 70”, no Teatro Rubem Braga, com a participação de vários artistas da cidade.

Biografia de Sérgio

Filho do maestro Raul Gonçalves Sampaio e da professora Maria de Lourdes Moraes, Sérgio Sampaio, antes de gravar suas composições, de melodias marcantes e letras autobiográficas, foi radialista em Cachoeiro e, depois, no Rio de Janeiro.

Lançou quatro discos, sendo o último, “Cruel”, um álbum póstumo. Entre seus maiores sucessos estão “Eu quero é botar meu bloco na rua”, “Meu pobre blues” e “Tem que acontecer”.

Sérgio faleceu aos 47 anos, em 1994, e desde então vem tendo sua obra e biografia revisitadas de modo mais forte, nas últimas duas décadas, principalmente após o lançamento da coletânea póstuma “Balaio do Sampaio”.



Outras Notícias


Servidor capota carro da Prefeitura de Cachoeiro de madrugada

Santo Eleutério, homem de enorme simplicidade e comunhão

Apae de Cachoeiro vai receber R$ 400 mil para reforma e ampliação

Homem é baleado na porta de casa em Cachoeiro

Intervenção federal no Rio: ES prepara plano para defender divisa

Cerca de 23 mil famílias capixabas podem se beneficiar da Tarifa Social de Energia Elétrica

Suspeito de matar ex-companheira no meio da rua em Cachoeiro é preso no Rio

Psiquiatra do ES faz alerta sobre consumo precoce de álcool entre jovens

Semana inicia com mais de 560 vagas de emprego nas agências do Sine

São Conrado - Eremita franciscano

Horário de verão: governo voltará a discutir se acaba com período

Morre presbítero de Cachoeiro vítima de acidente de carro em Presidente Kennedy

Com ponte quebrada, moradores carregam idoso doente em cadeira para consulta em Castelo

Hospitais do ES poderão ser obrigados a informar tipo sanguíneo de recém-nascidos

Projeto prevê gratuidade de CNH para pessoas de baixa renda desempregadas

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.