Luta antimanicomial mobiliza centro de Cachoeiro

Pra

O movimento que busca melhoria nas condições do tratamento psiquiátrico no Brasil está completando 30 anos. Em Cachoeiro, o marco vai pautar mobilização coordenada pela prefeitura no centro da cidade, nesta quinta-feira (18), Dia Nacional da Luta Antimanicomial, das 8h ao meio-dia.

Participam do evento entidades, órgãos públicos e voluntários que lidam diariamente com o tema no município. Na praça Jerônimo Monteiro, está confirmada a presença de representantes das secretarias estadual e municipal de Saúde, faculdade São Camilo, servidores da área, pacientes e familiares. A ação tem apoio das secretarias municipais de Desenvolvimento Social e de Cultura.

Entre os servidores estarão os que atuam no Caps II, unidade no bairro Gilberto Machado mantida pelo estado para tratamento de transtorno mental; e o Caps AD, mantido pela prefeitura no bairro Otton Marins, para pessoas que querem tratar dependência do uso abusivo de álcool, crack e outras drogas.

Neste ano, o tema da luta antimanicomial é “Faz escuro, mas eu canto: liberdade em todo canto”, que será reforçado pelas equipes por meio de bate-papo, distribuição de panfletos informativos e exposições de arte e material produzidos pelos usuários do serviço.

Os itens são confeccionados durante as oficinas terapêuticas nas unidades de Caps. De acordo com Elizandra Rodrigues, referência técnica municipal em Saúde Mental, o evento no centro de Cachoeiro é oportunidade para mostrar à sociedade, de modo mais próximo, o trabalho desenvolvido com os usuários dos serviços de atenção psicossocial.

“Assim, podemos ajudar a desmistificar a ideia de que as pessoas que sofrem de algum transtorno mental devem ser isoladas da sociedade. Pelo contrário, por meio das atividades e fotografias expostas, a população pode entender que o real local de tratamento desses usuários é em regime aberto, em suas comunidades e próximos à família”, avalia Elizandra.

Três décadas de conscientização

Nascido no Brasil na década de 80, o movimento antimanicomial busca modificar a lógica da assistência em saúde mental em prol de uma atenção psicossocial, que cria serviços múltiplos e a diversificação na rede de saúde. A proposta inclui a diminuição gradativa da incidência de longas internações em hospitais psiquiátricos.

A rede abrange, por exemplo, equipes de saúde mental, unidades básicas de saúde, Caps, leitos em hospitais gerais, serviço residencial terapêutico. No Caps, são realizadas práticas e ações em ambiente mais acolhedor para um trabalho intersetorial, que acompanha o usuário do serviço e seus familiares.



Outras Notícias


Papa anuncia fim da possibilidade de recurso para padres que cometem abusos

Ex-vereador de Cachoeiro é absolvido em ação penal por 'rachid'

São Mateus, apóstolo e evangelista

PM apreende grande quantidade de drogas em casa de adolescente em Cachoeiro

Idosa de 70 anos é assassinada pelo próprio filho com golpes de cavadeira em Vargem Alta

150 vagas de emprego abertas para obras de Terminal Pesqueiro em Itapemirim

Dois assassinatos durante noite violenta em Itapemirim

Horário de verão começa dia 15 de outubro

CPF em certidões de nascimento e casamento virou regra no Espírito Santo

Palestras e consultorias gratuitas para micro e pequenas empresas

Lei Rubem Braga: mais tempo para inscrição de avaliadores

Justiça isenta advogado de pagar pedágio na BR 101

Santo André Kim e companheiros mártires

Estudantes já podem se inscrever para concorrer a vagas remanescentes do Fies

São Januário foi zeloso, bondoso e sábio

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.