Comissão de Direitos Humanos da OAB-ES acompanha supostas violações na Penitenciária de Cachoeiro

Wkdwvh_800_

Os internos da Penitenciária Regional de Cachoeiro de Itapemirim (PRCI), no sul do Estado, fizeram uma greve de fome na segunda-feira (16) e terça-feira (17) em protesto contra as condições de alimentação, falta de água para consumo e tratamento degradante na unidade.

Segundo o sistema Geopresídios, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a unidade tem 854 internos para 448 vagas, ou seja, déficit de 415 vagas.

A Comissão de Direitos Humanos da seccional capixaba da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-ES) acompanha o caso. Segundo relato de familiares, os internos estão sendo submetidos a maus tratos, sem disponibilidade de água para consumo e com comida imprópria para consumo.

Os relatos dão conta, inclusive, que estão sendo feitas revistas vexatórias na unidade, prática vedada pelo Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) e desrespeito aos familiares.

De acordo com a resolução, a revista deverá ocorrer por meio do uso de equipamentos eletrônicos detectores de metais, aparelhos de raio-x ou scanner corporal capazes de identificar armas, explosivos, drogas, outros objetos ilícitos ou, excepcionalmente, de forma manual.

Mesmos problemas

A reclamação quanto à qualidade da alimentação servida na unidade persiste desde que a fornecedora era a Cozisul Alimentação Eireli, que era responsável por 13 dos 34 contratos de fornecimento de alimentação a internos do sistema prisional, com faturamento em 2016 chegando a R$ 43 milhões. O contrato entre a empresa e a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) foi rescindido unilateralmente em 15 de agosto.

Para substituir a Cozisul o fornecimento de alimentação aos internos foi contratada a Alimentares Refeições Eireli, com valor global de R$ 90 milhões e vigência até 17 de março de 2020. O valor diário bruto da etapa diária é de R$ 10,82. No entanto, pela quantidade de presos atualmente na unidade, o valor de alimentação por preso, considerando a etapa diária, é de R$ 8,78.

A Cozisul recebeu 380 notificações de irregularidades da pasta e um relatório da Gerência de Controle, Monitoramento e Avaliação de Gestão Penitenciária da própria Sejus apontou que a empresa serviu para os internos cortes suínos processados que é utilizada na indústria para a alimentação de animais.

O relatório aponta que o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado (Idaf) confirmou que a carne industrial servida aos internos é de uso exclusivo na produção de embutidos e processados.

Os recortes de carne suína servidos aos internos causaram contaminação por Doença Transmitida por Alimento (DTA) nos presos, em virtude da presença de bactérias patogênicas e número elevado de estafilococos coagulantes positivas nos alimentos, que não deveriam ser consumidos por humanos.



Outras Notícias


Unidades de saúde estendem horário de atendimento

Médicos alertam sobre superbactéria transmitida sexualmente

Mulher é baleada na cabeça e abdômen

Morador de Itapemirim encontra corpo em rio

Adolescente de 16 anos é detido com drogas e arma em Cachoeiro

Saiba como pedir aposentadoria por idade pela internet ou telefone

Bolsa Família começa a pagar benefício com reajuste

Pagamento da primeira parcela do 13º de aposentados começa em agosto

Brasil tem 677 casos de sarampo confirmados, diz Ministério da Saúde

São Símaco era conciliador, homem de justiça e sinal de paz

Santo Henrique e Santa Cunegundes

Mulher é presa transportando droga nas partes íntimas em Vargem Alta

Câmara aprova gratuidade na conta de luz para famílias de baixa renda

Veículo precisa de autorização do Detran para usar gás. Saiba quais cuidados tomar!

Homem suspeito de matar a esposa é preso em Atílio Vivácqua

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.