'Orgânico não tem que ser caro'

Organico

O preço final ao consumidor é uma questão estratégica para o avanço da agricultura sustentável, alternativa, sintrópica ou agroecológia, dê-se a ela o nome que se queira. É o preço que impede os camponeses de acessarem as caras certificações auditadas, que encareceriam o valor dos produtos vendidos diretamente ao consumidor. É o preço também – ou, mais ainda, o “mito” do preço alto – que ainda afasta algumas pessoas dos produtos certificados nas feiras.
E é uma ideologia arcaica e cruel, que faz com que a maioria dos grandes mercados subam os preços dos orgânicos exacerbadamente, a ponto de restringi-los a uma ínfima parcela abastada da população, insistindo numa tese ultrapassada de que, para ser bom e orgânico, tem que ser caro.

Pois um jovem empreendedor capixaba está provando que os orgânicos podem, sim, chegar aos supermercados e pontos especializados de vendas a preços razoáveis, pagando valores justos aos agricultores e inovando em qualidade.

Há apenas dois anos à frente do Sol da Terra Produtos Orgânicos, Pedro Moreno Ortiz foi o pioneiro, no Brasil, a comercializar alimentos orgânicos, processados e higienizados com ozônio. E pioneiro também no Espírito Santo, a disponibilizar a rastreabilidade de seus produtos por meio de um QR Code – espécie de código de barras que informa o caminho percorrido pelo alimento, desde o campo até o ponto de venda direta ao consumidor – que pode ser lido por qualquer aplicativo de celular voltado a esse serviço.

Com uma filosofia de trabalho muito bem definida e uma “política de preços acessíveis”, ele tem conseguido atrair fornecedores – agricultores certificados capixabas e atacadistas orgânicos de São Paulo e do Sul do País – e clientes – supermercados e lojas especializadas da Grande Vitória – comprometidos com o mesmo ideal, de levar o produto orgânico a um número cada vez maior de pessoas, expandindo assim os benefícios que essa agricultura traz para a saúde e a dignidade das pessoas e a conservação ambiental.

O primeiro grande cliente da então recém-nascida empresa, por exemplo, por insistir em elevar absurdamente o preço dos produtos, foi cortado de seu círculo de negócios. A bandeja de cenoura vendida, hoje, por seus atuais clientes, a R$ 4,98, nesse antigo revendedor era a R$ 11,99! Vendendo a um preço justo, o comerciante ganha em volume, são 80 bandejas em média por semana, enquanto o outro faturava em média apenas quatro. E quanto mais vendas, mais área plantada livre de agrotóxicos e exploração humana.



Outras Notícias


Unidades de saúde estendem horário de atendimento

Médicos alertam sobre superbactéria transmitida sexualmente

Mulher é baleada na cabeça e abdômen

Morador de Itapemirim encontra corpo em rio

Adolescente de 16 anos é detido com drogas e arma em Cachoeiro

Saiba como pedir aposentadoria por idade pela internet ou telefone

Bolsa Família começa a pagar benefício com reajuste

Pagamento da primeira parcela do 13º de aposentados começa em agosto

Brasil tem 677 casos de sarampo confirmados, diz Ministério da Saúde

São Símaco era conciliador, homem de justiça e sinal de paz

Santo Henrique e Santa Cunegundes

Mulher é presa transportando droga nas partes íntimas em Vargem Alta

Câmara aprova gratuidade na conta de luz para famílias de baixa renda

Veículo precisa de autorização do Detran para usar gás. Saiba quais cuidados tomar!

Homem suspeito de matar a esposa é preso em Atílio Vivácqua

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.