Papa denuncia veneno mortal da inveja e único pecado imperdoável

Angelus_1 (1)

No Angelus deste domingo, 10, o Papa Francisco refletiu sobre o Evangelho de hoje que apresenta dois tipos de incompreensão que Jesus teve que enfrentar: a dos escribas e a dos seus próprios familiares.

O Papa explicou que os escribas eram homens instruídos nas Sagradas Escrituras e encarregados de explicá-las ao povo. Alguns deles foram mandados de Jerusalém para a Galileia, onde a fama de Jesus começava a se difundir, para desacreditá-lo, serem fofoqueiros e destruir a credibilidade de Jesus.

“Esses escribas chegaram até a Galileia com uma acusação terrível, eles iam no centro e diziam: ‘Ele está possuído por Belzebu e expulsa os demônios pelo príncipe dos demônios. Isto queria dizer, mais ou menos, ‘este homem é um endemoniado’. De fato, Jesus curava muitos doentes, mas eles queriam fazer crer que Ele não o fazia com o Espírito de Deus, mas com o com o Espírito do mal”.

Blasfêmia e inveja
Diante desta acusação, Jesus reage com palavras fortes e claras, pois os escribas, talvez sem perceber, estavam caindo no pecado mais grave: negar e blasfemar o Amor de Deus que está presente e atua em Jesus.

“A blasfêmia é o pecado contra o Espírito Santo, é o único pecado imperdoável, assim o diz Jesus, porque parte do fechamento do coração à misericórdia de Deus que age em Jesus”, afirma o Santo Padre.

Francisco explica que este episódio contém uma advertência para todos: “De fato, pode acontecer que uma forte inveja pela bondade, pelas obras boas, de uma pessoa, possa levar à acusá-la falsamente. Aqui está um veneno mortal, a malícia premeditada para destruir a boa fama do outro. Que Deus nos liberte desta terrível tentação”.

O Papa destaca ainda que, se ao examinar a própria consciência percebe-se que esta semente do mal está germinando dentro de si, é preciso ir rápido e confessá-la no sacramento da penitência, antes que ela cresça e produza seu efeitos negativos.

“Fiquem atentos, vocês, porque este comportamento destrói famílias, amizades, comunidades e até mesmo a sociedade”, afirmou.

Nova família
Em seguida, Francisco falou sobre outra incompreensão sofrida por Jesus: a de seus familiares. “Eles estavam preocupados porque a sua nova vida de itinerante lhes parecia uma loucura e ele não tinha nem tempo para comer”.

Quando o procuram para levá-lo de volta a Nazaré, Jesus olha para as pessoas que estavam à sua volta e afirma: “Eis minha mãe e meus irmãos! Aquele que faz a vontade de Deus é irmão, irmã e mãe para mim”.

O Papa explica que Jesus formou uma nova família, não mais baseada em relações naturais, mas na fé Nele, em seu amor que acolhe e une as pessoas no Espírito Santo. “Todos aqueles que acolhem a palavra de Jesus são filhos de Deus e irmãos entre si”, destacou.

“Aquela resposta de Jesus não foi uma falta de respeito por sua mãe e seus parentes; ao contrário. Para Maria, foi o maior reconhecimento, porque precisamente ela é a perfeita discípula que obedeceu totalmente à vontade de Deus”, esclareceu o Santo Padre.



Outras Notícias


Seis personalidades da Cultura Capixaba receberão a Comenda Rubem Braga

São Lázaro - amigo de Cristo

Santa Cristiana, instrumento providencial

Projetos em defesa dos animais são votados

Novas academias e espaços esportivos revitalizados

Comerciantes de Itapemirim ganham Botão do Pânico para evitar assaltos

Veja os municípios do ES que estão em situação de alerta ou risco de chikungunya, dengue e zika

Agenda Verão Família 2019 de Marataízes inicia no sábado (22)

Adequações de horários em quatro linhas a partir de segunda (17)

Horário de atendimento no Banestes no fim de ano

São João da Cruz, conhecido como doutor místico

Programação musical de Natal começa nesta quinta (13)

Comércio de Cachoeiro-ES define o horário de Natal

Dona de casa tem 65% do corpo queimado em Cachoeiro

Uso de canudos plásticos é proibido em todo o Espírito Santo

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.