Comemoração dos Fiéis Defuntos

Cruz

Hoje não é dia de tristezas e lamúrias, e sim de transformar nossas saudades em forças de intercessão pelos fiéis defuntos
Neste dia ressoa em toda a Igreja o conselho de São Paulo para as primeiras comunidades cristãs: “Não queremos, irmãos, deixar-vos na ignorância a respeito dos mortos, para que não vos entristeçais como os outros que não tem esperança” ( 1 Tes 4, 13).

Sendo assim, hoje não é dia de tristezas e lamúrias, e sim de transformar nossas saudades, e até as lágrimas, em forças de intercessão pelos fiéis que, se estiverem no Purgatório, contam com nossas orações.

O convite à oração feito por nossa Mãe Igreja fundamenta-se na realidade da “comunhão dos santos”, onde pela solidariedade espiritual dos que estão inseridos no Corpo Místico, pelo Sacramento do Batismo, são oferecidas preces, sacrifícios e Missas pelas almas do Purgatório. No Oriente, a Igreja Bizantina fixou um sábado especial para orações pelos defuntos, enquanto no Ocidente as orações pelos defuntos eram quase geral nos mosteiros do século VII; sendo que a partir do Abade de Cluny, Santo Odilon, aos poucos o costume se espalhou para o Cristianismo, até ser tornado oficial e universal para a Igreja, através do Papa Bento XV em 1915, pois visava os mortos da guerra, doentes e pobres.

A Palavra do Senhor confirma esta Tradição pois “santo e piedoso o seu pensamento; e foi essa a razão por que mandou que se celebrasse pelos mortos um sacrifício expiatório, para que fossem absolvidos de seu pecado” (2 Mc 2, 45). Assim é salutar lembrarmos neste dia, que “a Igreja denomina Purgatório esta purificação final dos eleitos, que é completamente distinta do castigo dos condenados” (Catecismo da Igreja Católica).

Portanto, a alma que morreu na graça e na amizade de Deus, porém necessitando de purificação, assemelha-se a um aventureiro caminhando num deserto sob um sol escaldante, onde o calor é sufocante, com pouca água; porém enxerga para além do deserto, a montanha onde se encontra o tesouro, a montanha onde sopram brisas frescas e onde poderá descansar eternamente; ou seja, “o Céu não tem portas” (Santa Catarina de Gênova), mas sim uma providencial ‘antessala’.

“Ó meu Jesus perdoai-nos, livrai-nos do fogo do Inferno. Levai as almas todas para o Céu e socorrei principalmente as que mais precisarem! Amém!”



Outras Notícias


Casteglione é condenado por contratações irregulares

Estudo mostra que adolescentes de faixas carentes estão mais obesos

Veículos a partir de R$ 2 mil serão leiloados pela Seger neste sábado (13)

Governo vai mudar Mais Médicos de novo, para reincorporar cubanos

Calculo da hidratação: veja o quanto de água é preciso beber no inverno

Sequela de zika em bebê pode surgir após 2 anos

Comissão do Senado aprova meia-entrada para doadores de sangue

Neurocientista brasileira da Rede Sarah recebe prêmio internacional

São Bento

Trânsito muda na região do Parque de Exposições para Festa de Cachoeiro

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

Trânsito muda no Centro, neste sábado (29), durante Desfile Cívico Escolar

Mostra fotográfica resgata história da Festa de Cachoeiro

Diogo Nogueira é a atração do dia 29 na Festa de Cachoeiro

Governo vai lançar plano do 'gás mais barato

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.