Mar avança sobre a orla e povo protesta por solução

Piuma

Moradores de Piúma marcaram para dia 9 de dezembro um protesto após o mar destruir metade da principal avenida do município. O objetivo é tentar conseguir o apoio dos governos Estadual e Federal para resolver a situação que vem de anos e se complica com o passar do tempo.

No ano de 2016, a força do mar começou a quebrar o calçadão e quiosques. Nada foi feito e a erosão de expandiu fazendo com que fique impossível a passagem de veículos. Quem passa por lá fica amedrontado.

Os piumenses temem o que possa acontecer futuramente, pois, terão que deixar casas e empresas se a invasão do mar continuar. A erosão compromete a economia e o turismo, principalmente nessa época que se aproxima, de verão.

“Sou corretora de imóveis e muitos como eu estamos sendo prejudicados, pois está difícil fechar contratos para a famosa temporada de verão na cidade. Da prefeitura não pode mais esperar nada. Nós vamos agir diante dessa calamidade pública, pedindo atenção ao poder estadual e federal”, disse Alessandra Zouain, organizadora da manifestação.

Prefeitura

Em nota, a prefeitura informa que aguarda o recurso estadual prometido, no valor de R$ 5 milhões, para iniciar a urbanização. Alega precisar dos recursos estuais e federais. Para o verão, estão preparando 800 sacos (big bags), que custam cerca de 48 mil, e suportam até 1,5 tonelada de areia. Serão colocados na parte mais afetada da erosão na tentativa de conter, provisoriamente, o avanço do mar. Para o procedimento, no entanto, aguardam autorização do Instituto Estadual de Meio ambiente (Iema).

Câmara nega autorização para empréstimo

Nesse mês, o prefeito de Piúma, Ricardo Costa, teve negado pela Câmara pedido de autorização para a contratação de crédito no valor de R$ 35 milhões junto à Caixa Econômica Federal. O recurso, justifica, seria para investir em trabalhos na cidade, incluindo o projeto urbanístico da orla. Seriam necessários oito votos de vereadores, mas só conseguiu seis.

Em vídeo, publicado antes mesmo da votação analisou: “Temos aqueles que querem nossa orla e temos aqueles que por vaidade não querem a solução. Aqueles que votam contra, não estão pensando em nossa cidade”, disse.

Os vereadores contrários ao projeto alegaram que o endividamento do município com o empréstimo, considerando juros, poderia chegar a R$ 70 milhões, comprometendo as finanças e investimentos em áreas básicas, como Saúde e Educação. Defendem que os governos Federal e estadual custeiem a obra.



Outras Notícias


Justiça suspende reajuste do pedágio na BR-101 previsto para a próxima semana

MPES investiga relação de 22 mortes com corrupção na Santa Casa de Guaçui

Descoberto esquema criminoso que atua na prefeitura e Câmara de Guaçui

São Bernardino de Sena, homem zeloso

Empresário cachoeirense morre após colidir em barranco

Dia D da vacinação contra a gripe será no próximo sábado (4)

Oito concorrem ao título de Cachoeirense Ausente de 2019

Governo autoriza início de obras do Caminhos do Campo em Cachoeiro de Itapemirim

Sisu abre inscrições para instituições públicas de ensino no dia 2

Cadastro Nacional de Adoção passa por atualização em projeto piloto no ES

Pastoral da Pessoa Idosa emite nota contra reforma da Previdência de Bolsonaro

Cortes de verbas para universidades federais podem indicar futura privatização

Santo Atanásio - Bispo e Doutor da Igreja

Espírito Santo registra primeira morte por supergripe em 2019

Porteiro vence as dificuldades com ajuda de alunos e passa no vestibular

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.