Família doa órgãos de paciente com morte encefálica e salva a vida de sete pessoas

511a6a00-2e0e-0137-811b-6231c35b6685--minified

Foi realizada com sucesso, nessa quarta-feira (20), a captação e o transplante de múltiplos órgãos doados pela família de um jovem de 22 anos, atendido em um hospital da Rede Estadual na Grande Vitória, e que teve a morte encefálica confirmada nesta terça-feira (19).

Apesar da dor da perda, a família tomou uma decisão que beneficiou sete pessoas com transplante de pulmão (bilateral), coração, fígado, dois rins, pâncreas e córneas. O nome do hospital e as causas da morte não foram divulgadas para preservar a família do doador.

A coordenadora da Central de Transplantes do Espírito Santo, Maria Machado, explicou que a definição de quem receberia os órgãos doados foi feita por meio de um sistema on-line do Ministério da Saúde, obedecendo a critérios rígidos estabelecidos pela legislação federal. No caso da captação e doação realizadas na quarta-feira, foram beneficiados pacientes de São Paulo (pâncreas e pulmão), e outros que aguardavam pelos demais órgãos na Grande Vitória.

Primeira Captação
De acordo com Maria Machado, esta foi a primeira captação de pulmões de adulto realizada na região metropolitana este ano. A equipe de captação de São Paulo veio de táxi aéreo e desembarcou no aeroporto de Vitória, pela manhã, e foi encaminhada pela equipe da Central de Transplantes até o hospital onde ocorreu a captação.

Lista de espera no Espírito Santo

Em todo Estado, até a quarta-feira (20), quatro pessoas aguardam por uma doação de coração, 40 esperam por um fígado, 173 por córneas e 923 pessoas aguardam por um transplante de rins.

A coordenadora da Central de Transplantes explicou que a captação dos órgãos acontece somente após constatação de morte encefálica, ou seja, quando há completa e irreversível parada de todas as funções do cérebro. Esse diagnóstico é realizado por uma equipe profissional por meio de exames de imagem, exames clínicos e exames laboratoriais. Após a confirmação da morte encefálica, a família é comunicada sobre a situação irreversível e decide sobre a doação dos órgãos de seu ente.

“Quando temos o diagnóstico de uma morte encefálica, uma equipe do hospital acolhe essa família e dá a ela a possibilidade de fazer a doação dos órgãos do seu ente querido”, disse a coordenadora.

Empatia
Esse momento de abordagem, segundo Maria Machado, é muito delicado devido ao sofrimento dos familiares no momento da perda. Ela destacou que quando a pessoa informa a família sobre o desejo de doar seus órgãos, a decisão é menos dolorida para os familiares. “Por isso é importante que as pessoas conversem em casa sobre seu desejo e, mesmo em um momento de dor, a família opta pela doação. Uma vida pode salvar até sete outras vidas”, destacou.

  • Com informações da Sesa-ES



Outras Notícias


Justiça suspende reajuste do pedágio na BR-101 previsto para a próxima semana

MPES investiga relação de 22 mortes com corrupção na Santa Casa de Guaçui

Descoberto esquema criminoso que atua na prefeitura e Câmara de Guaçui

São Bernardino de Sena, homem zeloso

Empresário cachoeirense morre após colidir em barranco

Dia D da vacinação contra a gripe será no próximo sábado (4)

Oito concorrem ao título de Cachoeirense Ausente de 2019

Governo autoriza início de obras do Caminhos do Campo em Cachoeiro de Itapemirim

Sisu abre inscrições para instituições públicas de ensino no dia 2

Cadastro Nacional de Adoção passa por atualização em projeto piloto no ES

Pastoral da Pessoa Idosa emite nota contra reforma da Previdência de Bolsonaro

Cortes de verbas para universidades federais podem indicar futura privatização

Santo Atanásio - Bispo e Doutor da Igreja

Espírito Santo registra primeira morte por supergripe em 2019

Porteiro vence as dificuldades com ajuda de alunos e passa no vestibular

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.